quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Descrescimento

"Redução de tamanho não deve ser confundido com crescimento negativo, o que é um oxímoro: significa progredir para trás. O quê os franceses chamam 'décroissance' não tem um equivalente fácil em português já que diminuição, decréscimo e redução todos tem uma conotação negativa que 'décroissance', que significa de-crescimento, não tem. Isso diz muito sobre a dominação psicológica da economia de livre-mercado.

Nós temos visto como até mesmo uma diminuição no ritmo de crescimento mergulha nossas sociedades no caos, causando desemprego e destruindo programas sociais, culturais e ambientais que ao menos mantém os elementos básicos de uma vida decente para a maioria das pessoas. Então o quê aconteceria se a taxa de crescimento fosse efetivamente negativa? Como em uma sociedade baseada no trabalho, sem trabalho, não poderia haver nada pior do que uma sociedade baseada no crescimento, sem crescimento. A esquerda progressista permanecerá aprisionada nesse pensamento a não ser que seja capaz de revisar radicalmente suas crenças mais profundas.

O decrescimento só pode ser pensado no contexto de uma sociedade que não é baseada no crescimento, que nós deveríamos tentar definir. Essa política poderia começar pela redução ou remoção do impacto ambiental de atividades que não trazem satisfação. Muitas setores estão clamando por decrescimento: nós poderíamos revisar a necessidade de tanto movimento de pessoas e bens ao redor do planeta e relocalizar nossas economias, reduzindo drásticamente a poluição e outros efeitos negativos do transporte de longa distância. Nós poderíamos questionar a necessidade de tanta propaganda invasiva e corrosiva. Nós poderíamos perguntar a nós mesmos quantos produtos descartáveis realmente necessitam ser descartáveis, por algum motivo além de alimentar a máquina de produção em massa.
(Serge Latouche, Trecho de "Poderia o Ocidente ser feliz com menos? O mundo reduzido")

Nenhum comentário:

Postar um comentário