04/02/2023

Alessandro Napoli - O Pensamento de Carlo Terracciano e a sua Atualidade

 por Alessandro Napoli

(2022)


Intervenção no IIº Congresso Nacional de Filosofia da Vanguardia Colombia em 2-3 de Dezembro de 2022

Começo por agradecer aos camaradas de Vanguardia Colômbia, organizadores deste congresso, por terem me honrado com este convite, assim como a todos os presentes e outros participantes.

O que estou prestes a fazer é uma análise panorâmica do pensamento do Prof. Carlo Terracciano, relacionando-o com a situação política atual na Itália e os recentes desenvolvimentos no cenário geopolítico mundial.

Minha escolha por este pensador é ditada pelo fato de que seu pensamento é de importância categórica para o círculo político-cultural do qual sou membro, ou seja, Nuova Resistenza - Italia, a Seção Nacional para a Itália da Nova Resistência - Evropa, bem como para as outras realidades italianas às quais está ligada ou com as quais temos colaborações, como as Comunidades Orgânicas de Destino e o grupo de estudo da Comunidade Hesperia.

Chegarei ao ponto, apresentando brevemente a biografia do pensador em questão, que estou certo de que muitos de vocês já conhecerão, como ele provavelmente também é conhecido no exterior. Carlo Terracciano nasceu em 10 de outubro de 1948. Como jovem, entrou para a Frente da Juventude, uma federação juvenil do que era o Movimento Social Italiano. No final dos anos 70, ele se aproximou do movimento intelectual da "Nova Direita", nascido na França no início dos anos 70, e representado na Itália por Stenio Solinas com a fundação da revista Elementi, a contraparte da Éléments franceses, que no entanto fechou suas portas em 1979, após apenas um ano de publicação. As ideias da Nouvelle Droite caracterizariam o caminho posterior de Terracciano com a rejeição do chauvinismo, do supremacismo e do nacionalismo em favor de uma abertura ao federalismo europeu e ao multipolarismo, bem como a firme posição antiatlantista oposta ao atlantismo clássico da direita institucional italiana. Em meados dos anos 80, Terracciano colaborou com a revista nacional-comunista Orion e eventualmente se juntou à equipe editorial da Eurásia, revista para a qual escreveu até o final prematuro de sua vida e carreira em 3 de setembro de 2005. Nesta época, seu pensamento se consolidaria e se concentraria cada vez mais em um eurasianismo claro, heterodoxo, projetado para frente na superação das antigas dicotomias e ideologias com suas análises clarividentes, se não proféticas, e elaboração teórica lúcida.

01/02/2023

Matteo Luca Andriola - "Vermelhos-Marrons" ou "Nacional-Bolcheviques"?

 por Matteo Luca Andriola

(2021)



O termo "vermelho-marrom" é frequentemente usado em linguagem comum para desacreditar aqueles que, de posições de extrema-esquerda, questionam certos pressupostos do pensamento liberal. O termo foi cunhado na Rússia em 1991 pela comitiva ligada a Boris Iéltsin para desacreditar o PCFR de Gennadij Zhyuganov, que, através da "Frente de Salvação Nacional", estava implementando o acordo sem precedentes entre comunistas e nacionalistas russos. O projeto foi imediatamente imitado e estudado por núcleos militantes provenientes do radicalismo de direita e alimentado pelas sugestões nacionalistas-europeias da Jeune Europe de Jean Thiriart (1962-1969), um movimento nacionalista-europeu que, como muitos historiadores documentaram - cito o professor Aldo Giannuli em seu livro sobre a Ordine Nuovo, escrito com seu assistente Elia Rosati - manteve contatos, através da inteligência local, com a República Popular da China, a Romênia socialista de Nicolae Ceaușescu e vários países árabes anti-israelenses, como o Egito de Gamal Abd el-Nasser (ou melhor, a RAU, que uniu o Egito e a Síria).

25/01/2023

Javier Portella - As Elites e o Povo

 por Javier Portella

(2023)


Insidiosamente, sem sequer nos darmos conta, o ar predominante, o espírito dos tempos, infiltra-se até mesmo naqueles de nós que mais ardentemente se opõem a ele.

A questão do populismo é, sem dúvida, o exemplo mais claro disso. Devemos ser populistas, é verdade, não há outra maneira; mas também devemos ser elitistas, ou seja, anti-igualitários, convencidos de que, como disse Aristóteles, é injusto tratar os desiguais como iguais, e estes como desiguais.

Vamos dar uma olhada mais de perto.

23/01/2023

Claudio Mutti - Barão Sangrento: O Eurasianista a Cavalo

 por Claudio Mutti

(2012)



Em um discurso em Hamburgo em 28 de abril de 1924, Oswald Spengler evocou a figura do Barão von Ungern-Sternberg, que quatro anos antes havia reunido um exército "com o qual logo teria a Ásia Central firmemente ao seu alcance. Este homem - disse Spengler - havia incondicionalmente ligado a si mesmo a população de vastas regiões, e se ele tivesse querido tomar a iniciativa e sua eliminação não tivesse tido sucesso com os bolcheviques, não se pode imaginar como a imagem da Ásia já seria hoje".[1] O Barão Ungern-Sternberg já havia passado para a história. E à lenda.

18/01/2023

Alberto Lombardo - Do Simbolismo do Machado

 por Alberto Lombardo

(2001)



O termo machado (ascia em italiano) existe em nossos idiomas quase inalterado ao longo dos milênios. Ele corresponde ao termo latino ascia, que deriva da forma indo-europeia *aksi/*agwesi, que os linguistas reconstruíram com base em comparações entre o termo latino e o termo gótico aqiziz, o termo antigo alto-alemão ackus (em alemão moderno Axt, em inglês ax, "adze") e o grego axi(on). No entanto, acho necessário ressaltar que esta forma é uma forma indo-europeia ocidental; os linguistas também reconstruíram a forma oriental, *peleku, desta vez com base em uma comparação entre certas formas linguísticas gregas e sânscritas. Em um processo bastante interessante, o pelicano é equiparado ao machado, por causa de seu bico grande característico.

16/01/2023

Beau Albrecht - O Que é a Nova Ordem Mundial?

 por Beau Albrecht

(2022)



Tem havido muita discussão sobre a Nova Ordem Mundial e tópicos relacionados ultimamente. Alguns podem descartar totalmente a possibilidade, considerando que tudo isso é conversa fiada. Outros investigarão e não chegarão a lugar algum, perseguindo tocas de coelho sem fim. Haverá aqueles que têm medo de investigar, com medo do conhecimento perturbador que possam encontrar e do fardo que saber disso poderia trazer. Embora seja um assunto difícil, farei o que puder para trazer clareza.

Existe um conflito ideológico que já vem sendo travado há muito tempo. O nacionalismo é oposto pelo internacionalismo, mais conhecido hoje em dia como globalismo. Isto não é exatamente a mesma coisa que a familiar dicotomia política direita-esquerda, mas se combina de certa forma. Em termos mais gerais, este é um conflito entre a soberania nacional e o governo mundial.

14/01/2023

Tiberio Graziani - O Equilíbrio do Planeta passa pela China

 por Tiberio Graziani

(2006)


"A China representa o centro de gravidade da massa asiática oriental. Todas as questões relativas ao equilíbrio mundial têm resposta em Pequim. A China é inatacável". Jordis von Lohausen

O que mais impressiona e surpreende o observador externo sobre a China é principalmente sua dimensão humana (atualmente cerca de um quinto de toda a população mundial é composta por chineses étnicos) e a grande capacidade dos sucessivos governos de organizá-la ao longo de sua longa história. Além disso, do ponto de vista geopolítico particular, a perseverança das classes dirigentes em buscar a unidade do espaço vital chinês é certamente espantosa. De acordo com o geopolítico francês Defarges [1], a unidade política da China evoca o trabalho de Sísifo: assim que a unidade é alcançada, ela sofre imediatamente tentativas de fragmentação. A constante reconstrução da Grande Muralha é a prova disso.

11/01/2023

Paolo Galiano - Os Equites: O Ludus Troiae e o Eixo Equinocial

 por Paolo Galiano

(2016)


No dia seguinte aos Idos de Setembro, e portanto em estreito contato com a celebração do Dies Natalis do templo de Júpiter Optimus Maximus e o lectisternium oferecido ao Deus naquele dia pelo Colégio de Epulões (bastante diferente em sua sacralidade do "rico epulão" da tradição evangélica cristã), era realizada a Equorum Probatio, cerimônia solene dos equites, distinta da Transvectio Equitum de julho: esta coincidência de tempos demonstra a relação especial entre Júpiter e os equites [1] e entre eles e Urbe, cuja função eles assumiam, como veremos, como protetores nos dias dos equinócios.

07/01/2023

Martino Mora - O Ocidente é um Sistema Econômico ou uma Cosmovisão?

 por Martino Mora

(2022)


"O Ocidente atual é um sistema econômico ou uma visão do mundo?" Meu amigo Mario Iannaccone me fez recentemente esta pergunta.

Minha resposta é que são as duas coisas.

É um modelo de civilização que Carl Schmitt chamou de "marítimo", e que Thomas Mann e Oswald Spengler (e outros) chamaram de "zivilisation". É um modelo no qual dinheiro, ciência e tecnologia, a produção e consumo de mercadorias, a centralidade do indivíduo em detrimento de qualquer comunidade, a exaltação da mudança como "progresso", a rejeição explícita ou implícita das crenças religiosas, são absolutamente relevantes. Na verdade, coincide com a "modernidade" e a "pós-modernidade" vencedoras.

04/01/2023

Alejandro Linconao - Desterritorialização e Virtualidade

 por Alejandro Linconao

(2022)


A operação russa na Ucrânia teve importantes implicações econômicas globais, com particular relevância na esfera energética. Esta questão, por sua vez, é muito mais ampla e faz parte de um conjunto maior de mudanças.

Na modernidade, tudo se liquefez, tudo perdeu sua forma e se entrelaçou. Das relações, aos estratos étnicos dos Estados, às religiões, ao poder. Junto com a queda do patrimônio material que moldou famílias e povos, as referências individuais e grupais diminuíram. Onde antes uma nacionalidade, algo compartilhado por grandes grupos de pessoas, era um fator vinculante, agora ela foi substituída por uma tribo virtual ou uma preferência sexual. A partir da fusão do sólido, passamos à virtualização, acompanhada de uma consequente desterritorialização.