domingo, 20 de outubro de 2019

Gregor Strasser - Trabalho e Pão!

por Gregor Strasser

(1932)



Decretos de Emergência são o único recurso do sistema atual!

A última vez que falei aqui, em outubro de 1930, ajustei nossas contas com o Sistema e, com base em minha vitória eleitoral de setembro de 1930, anunciei os princípios básicos da política interna e externa do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães. Desde então, nada mudou, absolutamente nada. A única coisa nova que experimentamos desde então é a arma dos decretos de emergência, os quais por um lado revelam a emergência e pelo outro decretam a emergência. Mas, de resto, nenhuma ideia nova e, sobretudo, redentora emergiu de todo o desenvolvimento político desde aquela época. Vejo a razão disso no fato de os homens que governam a Alemanha terem se limitado a concentrar todo o seu esforço político na supressão e exclusão das forças sociais e nacionais presentes no nacional-socialismo; também no fato de que o governo, como os debates no Reichstag alemão nos poucos dias em que se reuniu, sempre reconheceu apenas um único tema: a luta contra nós, e não mais a luta pelos interesses do povo alemão.

Toda a energia do governo durante a última campanha eleitoral, toda a sua propaganda com todos os seus recursos para influenciar o povo, se devotou a nos difamar perante o povo e o mundo. Nenhuma menção foi feita sobre o que o governo havia conseguido nesse ínterim.

A recente declaração do Chanceler do Reich de que uma tomada nacional-socialista do governo levaria automaticamente ao caos, à inflação e à guerra civil é, do ponto de vista político, a mais perigosa, porque aqui no Reichstag certamente não há ninguém que duvida de que a solução para os grandes problemas alemães possa ser encontrada contra nossa oposição ou sem nossa ajuda.

A Ascensão do Nacional-Socialismo

Apesar da resistência sem precedentes de todas as pessoas envolvidas no sistema Brüning e de todos os homens no governo, as últimas eleições provocaram a ascensão incessante e irresistível do movimento. Acho que é hora de a burocracia alemã tirar os óculos festivos e ver de perto de onde vem essa ascensão.

Quando as pessoas hoje dizem teimosamente que a ascensão dos nacional-socialistas é apenas o resultado de uma insatisfação generalizada entre o povo alemão, então devo perguntar de onde vêm todas essas pessoas insatisfeitas, por que estão insatisfeitas? Deve ser a culpa e o fracasso dos partidos do governo e do governo apoiado por eles.

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Aleksandr Dugin – O Advento do Robô (História e Decisão)

por Aleksandr Dugin

(2018)



Eu conversei mais ou menos recentemente com Francis Fukuyama, e chegamos à conclusão de que a definição da democracia como o poder da maioria é obsoleta, velha e pouco funcional. A nova definição da democracia, segundo Fukuyama, é o poder das minorias dirigido contra a maioria. Porque a maioria pode ser populista – portanto, a maioria é perigosa.

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Carlo Giuliano Manfredi - O Mito Solsticial

por Carlo Giuliano Manfredi

(2018)



Deixe-me ir
Do Não-Ser ao Ser
Das Trevas à Luz
Da Morte à Imortalidade
(Brihad Aranyaka Upanishad)

Quando o ano chega ao término, vive-se um momento de passagem dos mais dramáticos, e paradoxais, de todo o ciclo natural das estações (como manifestações das leis que regulam aquela realidade física estruturada pelo nascimento, crescimento, amadurecimento e morte).

Que a escuridão reina soberana, as noites se alongam e a luz parece vencida, todavia no momento em que esta última parece extinguir-se totalmente e o mundo das trevas festeja o próprio triunfo, enquanto tudo parece perdido, na manhã de 21 de dezembro ocorre uma reviravolta da situação, é o evento do Solstício de Inverno (do latim, solstitium “sol” e “que não se mexe”).

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Carlos Javier Blanco Martin - O Espelho Russo: Europa e a Alma do Oriente

por Carlos Javier Blanco Martin

(2018)



Finalmente contamos novamente, em nossa língua espanhola, com o trabalho de Walter Schubart (1897-1942), Europa e a Alma do Oriente.

Este pensador, filósofo, eslavista, teólogo, é muito pouco conhecido em nosso país. Ele era um alemão báltico, um "ocidental no Oriente", e isso é um fato em si mesmo: é preciso levar em conta que os teutões se expandiram em direção ao leste, em direção ao que hoje é a Rússia e os países bálticos, desde os tempos medievais, contribuindo grandemente para a cultura dessas nações e deixando bolsões de população germânica, bolsões que as tragédias da guerra e os inevitáveis reajustamentos de fronteiras na Europa modificaram notavelmente. Schubart, de origem teutônica, no entanto, era muito próximo, geograficamente e psiquicamente, da grande Rússia.

Schubart é um filósofo, parece, destinado a ser uma ponte. A ponte entre o Ocidente, que está imerso na ruína e na decadência, e um Oriente que vê como promessa e salvação do europeu. O Ocidente e sua terra natal, a Alemanha, estão condenados. Não apenas o hitlerismo, mas também as forças liberais e "democráticas" que irão combatê-lo na Segunda Guerra Mundial são sintomas de uma perda da alma.

O europeu medieval era "o homem gótico". Em sua versão degenerada, o homem gótico tornou-se por volta do século XVI em "homem prometéico". O homem prometéico que desafia os deuses, querendo roubar seu fogo, que é basicamente o pecado de hybris, de insolência, falando como grego. O olhar esperançoso de Schubart, eslavista por formação, filósofo das culturas e religiões, se põe sobre a Rússia, a Grande Mãe dos povos eslavos que pode ser um dia, uma vez superado o episódio do bolchevismo, a salvação desse “homem prometeico", que é um tipo de homem degenerado e seduzido pelo dinheiro e pela técnica. A mãe Rússia vai resgatar o potro desenfreado da Europa Ocidental, prestes a despencar por pura loucura. Mas o germano-balto que foge de um nazismo que se expande para o leste, casado com uma judia, cairá cara a cara com o bolchevismo, cujas garras causarão sua morte. Um campo de prisioneiros no Cazaquistão será o lugar onde Walter e sua esposa Vera desaparecerão.

A partir dessas linhas animamos à leitura do livro que a Ediciones Fides volta a apresentar para o público que lê na língua de Cervantes. Animamos também a que se empreendam investigações em espanhol sobre um filósofo tão pouco conhecido, pelo menos em nossa língua.

domingo, 29 de setembro de 2019

Alexander Wolfheze - O Vermelho e o Negro: Uma Introdução ao Eurasianismo

por Alexander Wolfheze

(2017)



Prólogo: Três Cores

Sur Bruxelles, au pied de l’archange,
Ton saint drapeau pour jamais est planté
[Sobre Bruxelas, aos pés do arcanjo,
Teu sagrado estandarte foi plantado por toda a eternidade][1]
- La Brabançonne

Uma tempestade de magnitude sem precedentes está lentamente tomando forma no horizonte histórico-cultural do Ocidente pós-moderno: com o clímax que se aproxima da Crise do Ocidente Moderno - mais precisamente descrito por Jason Jorjani como o iminente 'Estado Mundial de Emergência' - a perspectiva de uma "Revolução Arqueofuturista" também paira no horizonte.[2] O movimento patriótico-identitário que atualmente está apresentando rápido crescimento em todo o mundo ocidental pode ser visto como o precursor da "ave-da-tempestade" desta Revolução Arqueofuturista. [3]É importante que este movimento formule estratégias metapolíticas efetivas em preparação para a iminente falência sociopolítica da atual ordem mundial globalista (duplo neoliberal/cultural-marxista). O mais antigo discurso meta-histórico disponível para esse movimento é o tradicionalismo. A única visão geopolítica global que atualmente incorpora um elemento substancial do tradicionalismo é o eurasianismo. Este ensaio tem como objetivo fornecer uma introdução ao neo-eurasianismo de inspiração tradicionalista que é mais sucintamente expresso no trabalho do filósofo e editor russo Aleksandr Dugin. Além disso, no entanto, este ensaio tem como objetivo apontar que o pensamento e a escrita tradicionalistas autênticos também estão se produzindo nos Países Baixos, mesmo que ele seja obscurecido pela (auto) censura politicamente correta do mecanismo de revisão acadêmica e pela mídia do sistema. Este ensaio é dedicado ao escritor mais eminente - e com mais tempo de serviço - do tradicionalismo tipicamente autônomo que prospera nos Países Baixos: Robert Steuckers. Recentemente, ele publicou um trabalho enciclopédico sobre as origens, a história e o estado atual da civilização européia: seu tríptico Europa constitui um tour de force intelectual de profundidade e largura que será impossível sufocar no “encobertamento” politicamente correto que é a arma preferida dos publicistas (auto)censores do sistema. Europa está escrito em francês e até agora não foi traduzido para o inglês; o lamentável declínio do ensino da língua francesa em todo o Ocidente torna-o, portanto, inacessível a grande parte de seu principal público-alvo: a vanguarda intelectual, patriota e identitária da jovem Europa. Ao longo de todo o mundo ocidental, esta geração identitária está se preparando para a batalha definitiva por sua herança altamente ameaçada: sua terra natal ocidental - e a própria civilização ocidental. Este ensaio visa (de certa forma) mitigar essa inacessibilidade, transmitindo a um público não francófono, pelo menos, alguns dos conhecimentos que Steuckers apresenta em Europa. Na avaliação do revisor supramencionado, a Europa de Steuckers é uma jóia - um pequeno reflexo da Aurora Dourada ao qual o Tradicionalismo e o Eurasianismo apelam. Assim, a Bélgica - e Bruxelas - tem mais a oferecer do que a falsificada "Europa" da UE: ela também oferece a visão Arqueofuturista da Europa de Robert Steuckers. Portanto, este ensaio não é dedicado apenas ao próprio Steuckers, mas também ao seu país: a Bélgica.

Embora a orientação (franco-revolucionária) e as cores (heráldico-tradicionais) da bandeira belga sejam historicamente previsíveis para qualquer pessoa familiarizada com a gênese única do Estado belga, ela ainda é muito incomum em um aspecto. Talvez suas proporções estranhas - quase quadradas (13:15) - reflitam a particularidade histórica da configuração geopolítica da Bélgica: efetivamente, a Bélgica representa uma restgebied ou “sobra” histórico-cultural, que foi legalmente estabelecida como uma "zona tampão" soberana em nome do compromisso de "equilíbrio de poder" do início do século XIX entre a Grã-Bretanha, a França e a Prússia. Somente em termos de cores, a bandeira belga pode reivindicar um pedigree autenticamente tradicional (ou seja, duplamente histórico e simbólico). Entre a cor vermelho-sangue das províncias continentais de Luxemburgo, Hainaut e Limburg e a cor negra da poderosa província costeira da Flandres, ela mostra o amarelo-ouro da próspera província de Brabant, com a sua capital Bruxelas, que tem sido a sede administrativa do poder pan-europeu do pré-moderno estado da Borgonha até a União Européia pós-moderna. O vermelho e o negro belgas têm a mesma carga heráldico-simbólica que o vermelho e negro eurasianos: em ambos, vermelho é a cor do poder mundano (Nobreza, Exército) e negro é a cor do poder do outro mundo (Igreja, Clero). Na visão holística do eurasianismo tradicionalista, essas cores necessariamente se complementam: juntas, elas representam a combinação intimidante da tempestade (Dilúvio divinamente ordenado) e da guerra (Guerra Santa divinamente ordenada) que se aproximam. Até hoje, todo mundo sabe que a bandeira vermelha e negra representa a revolução, mesmo que os ideólogos “justiceiros sociais” não reconheçam a direção verdadeira e reversa de cada re-volução autêntica (em suma: a Revolução Arqueofuturista). Entre o vermelho-sangue e o negro-sable belgas encontra-se a cor que pode ser considerada como estando em virtual "ocultação" no eurasianismo: o amarelo-ouro que tem a carga heráldico-simbólica da luz celestial e da Aurora Dourada - e assim do próprio tradicionalismo. Um pequeno raio dessa luz nos vem de Brabant, na Europa de Steuckers.

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Ramiro Ledesma Ramos - O Indivíduo Está Morto

por Ramiro Ledesma Ramos

(1931)



Distingue cada época uma concepção de mundo peculiar, que é a chave de todas as valorações que nela se façam. O homem exalta hoje o que ontem desprezaram seus avós, e vice-versa. Isso, que se poderia atribuir à frívola caducidade dos valores, a relativismo ético e político, é, não obstante, a própria raiz da história, onde se denuncia e aparece a objetividade e continuidade da história. 

Com grande frequência se ouvem hoje longos lamentos em honra do indivíduo, categoria política que se escapa sem remédio. Uma rápida análise da nova política surgida no pós-guerra assinala o fato notório de que o indivíduo foi despojado da significação e importância política de que antes dispunha. O fenômeno é de tal nível, que guarda o segredo das novas rotas políticas, e quem não consiga compreendê-lo com integridade, está condenado a ser um espectador cego das façanhas dessa época. Acontece que um dia o mundo descobriu que todas as suas instituições políticas padeciam de um vício radical de ineficácia. Provocavam um divórcio entre a suprema entidade pública – o Estado – e os imperativos sociais e econômicos do povo. O Estado havia ficado para trás, fiel a vigências anacrônicas, recebendo seus poderes de fontes desvitalizadas e alheias aos tempos. O Estado liberal era um sortilégio concebido para realizar fins particulares, do indivíduo. Sua aspiração mais elevada era não servir de estorvo, deixar que o indivíduo, o burguês, capturasse a felicidade egoísta de sua pessoa. 

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Nikolai Smirnov - Eurasianismo de Esquerda e Teoria Pós-Colonial

por Nikolai Smirnov

(2019)



Neste artigo, argumento que devemos considerar o eurasianismo como uma experiência inicial no pós-colonialismo. A principal preocupação de ambas as ideologias é a relação entre o relativismo cultural e o universalismo. Eu examino o projeto eurasianista de esquerda como uma ideologia que enfatiza o papel crucial da Rússia na construção do socialismo internacional e como um exemplo do radicalismo filosófico russo que tentou casar o universal com o particular através do messiânico.

O eurasianismo foi uma corrente filosófica e política que emergiu na década de 1920 entre a diáspora russa na Europa. Criticando radicalmente a hegemonia cultural européia, o eurasianismo posteriormente tentou elaborar uma teoria da identidade russo-eurasiana e uma missão universal, alcançando seu auge nas décadas de 1920 e 1930.

sábado, 31 de agosto de 2019

Archie Munro - O Mito do Homossexualismo na Grécia Antiga

por Archie Munro

(2018)



A crença de que a sociedade grega antiga mantinha uma atitude indulgente em relação à homossexualidade – particularmente à pederastia – é amplamente sustentada, tanto dentro como fora de círculos nacionalistas. Greg Johnson, por exemplo, diz:

“A pederastia homossexual, que ainda permanece um tabu em nossa cultura, era amplamente praticada pelos antigos povos arianos do mundo mediterrâneo. Persas, gregos e romanos todos a praticava, incluindo alguns dos homens mais viris na história e na lenda, como Aquiles e Alexandre o Grande”.

“Não há dúvidas de que não apenas o comportamento homossexual era tolerado por antigos povos arianos, como de que ele era considerado normal, e até ideal em alguns casos. Ele é atribuído aos deuses (Zeus e Ganimedes) e elogiado por poetas, filósofos e historiadores. É difícil sustentar atitudes judaicas odiosas em relação à homossexualidade se compreendermos e apreciarmos a grandeza da civilização clássica pagã. [...] Homofóbicos estão nas mãos da Judiaria mesmo sem saber”.

Adonis Georgiades discorda. Ele é o atual vice-presidente do partido grego Nova Democracia e um homem de convicções socialmente conservadoras, ainda que economicamente liberais (por exemplo, ele votou a favor do notório ‘segundo memorando’ no Parlamento Grego). Seu livro de 2004, “Homossexualidade na Grécia Antiga: O Mito está Colapsando”, é uma revisão polêmica da evidência. Para Georgiades, a evidência demonstra que a homossexualidade não era considerada aceitável, muito menos “ideal”, na Grécia antiga. As fontes que ele examina incluem, mas não se limitam às seguintes.

Mitologia grega;
Obras de poetas cômicos atenienses, como Aristófanes;
Ilustrações cerâmicas;
Legislação de Atenas e Esparta como encontradas nas descrições de vários autores antigos dos costumes sexuais espartanos, como Plutarco;
O processo judicial mal sucedido de Timarco e Demóstenes contra Ésquines;
O processo judicial de Ésquines contra Timarco.

Crucialmente, Georgiades também considera a tradução de dois pares de palavras do grego antigo. O primeiro, examinado principalmente à luz das obras de Platão e Xenofonte, é erastes-eromenos. Este par é convencionalmente, mas segundo Georgiades, problematicamente traduzido no inglês como “amantes-amado”. O segundo é a distinção entre os termos pornos (“prostituto”) e hetairos (“acompanhante masculino”). Como o livro demonstra, essa segunda distinção é particularmente relevante para o processo Ésquines vs Timarco mencionado acima. O processo vencido por Ésquines indica que – pelo menos em Atenas – mesmo a conduta homossexual não-remunerada era suficiente para expor o praticante ao risco de perder seus direitos civis. Eu retornarei depois à análise que Georgiades faz das fontes primárias.

Minha impressão geral, como não-especialista, é que as conclusões de Georgiades são sensatas, originais e dignas de serem lidas por um público mais amplo. Talvez o principal problema do livro seja a baixa qualidade da tradução e da revisão. O meu propósito aqui, porém, não é revisar exaustivamente o livro. Ao invés disso, eu vou resumir seus principais argumentos e então tentar iluminar o seu tema mais interessante, ainda que não inteiramente explícito: relações “pederásticas” na Grécia antiga, longe de serem motivadas pelos impulsos sexuais de homens mais velhos por homens mais jovens, eram um aspecto do que Kevin MacDonald poderia chamar de estratégia evolutiva grupal da pólis grega. Os homens da Grécia antiga não viviam em uma névoa freudiana; eles estavam preocupados com a identificação de uma realidade transcendente e com sua aplicação em sua comunidade, em prol do bem comum. Eu explicarei adiante o que quero dizer com isso. Primeiro, porém, eu escrevo um pouco sobre minhas motivações ao escrever esse artigo.

domingo, 18 de agosto de 2019

Manifesto da Nouvelle Résistance

(1991)



“Fazei da causa do povo a causa da nação, e a causa da nação será a causa do povo”. – Lênin

Este texto é dedicado a:

Nanni de Angelis, assassinado pela polícia política italiana
Jacques Arthuys, morto em um campo de concentração alemão.
Nicola Bombacci, assassinado pelas milícias da “resistência” italiana.
Roger Coudroy, caído em combate na Palestina ocupada.
Rudolf Formis, assassinado pela Gestapo.
Manuel Hedilla, condenado a 30 anos de prisão pela Frente Popular Espanhola, condenado à morte pela reação franquista.
Francesco Mangiameli, assassinado pela polícia política italiana.
José Pérez de Cabo, assassinado pela reação franquista.
Haro Schultze-Boysen, condenado à morte e enforcado por ordem da reação hitlerista.
George Valois, morto em um campo de concentração.
Fritz Wolffheim, morto em um campo de concentração.
Francis Parker Yockey, assassinado pelo FBI.

E a todos aqueles que caíram pela causa do povo e da nação.

“Todas as forças revolucionárias dentro de um mesmo Estado estão ligadas invisivelmente, apesar de sua mútua oposição. A ordem é sua inimiga comum”. – Ernst Jünger

“Somos um pequeno grupo compacto, seguimos um caminho íngreme e difícil, segurando com força as mãos uns dos outros. Em todas as partes estamos cercados por inimigos, e temos que caminhar quase sempre sob fogo. Nos unimos em virtude de uma decisão tomada livremente, para combater o inimigo e não sucumbir ao lamaçal vizinho, cujos hóspedes, desde o começo, nos acusarem de ter formado um grupo separado e de termos preferido o caminho da luta ao caminho da reconciliação”. – Lênin

“É impossível justificar o nacionalismo no marco da sociedade capitalista. Hoje não pode haver nacionalismo, ou seja, consciência da continuidade viva da nação, que não seja simultaneamente revolucionário”. – Thierry Maulnier

“Não somos nem de direita, nem de esquerda, mas se precisamos ser situados em termos parlamentares, reiteramos que estamos a meio caminho entre a extrema-esquerda e a extrema-direita, por trás do presidente, de costas para a Assembleia”. – Arnaud Dandieu

“Ser de esquerda ou de direita é escolher uma das inúmeras maneiras que o homem tem de ser um imbecil; ambas são formas de hemiplegia moral”. – José Ortega y Gasset

Introdução

Um projeto nacional-revolucionário para a Europa comporta uma análise global da situação do mundo, que deve constituir a base de nossa estratégia e orientar nossas perspectivas.

Avaliação Internacional

Durante a última década a evolução do mundo se produziu de uma maneira realmente inesperada. O colapso do bloco comunista europeu e a desintegração da URSS, ocasionaram o quase desaparecimento dos países revolucionários do Terceiro Mundo. A Nova Ordem Mundial imposta pelo sistema, protagonizada pelo governo ianque, parece ter triunfado para um longo período e soube esmagar seus poucos adversários legitimando este esmagamento em nome da moral (Panamá, Iraque).

O desaparecimento do bloco comunista europeu não faz senão pressagiar, ao que parece, a generalização de uma economia liberal ou paraliberal (com todas as suas consequências: exploração, pobreza, desemprego, etc.) na totalidade da Eurásia.

O panorama é extremamente escuro, mas não devemos perder a esperança. Em primeiro lugar, a queda do comunismo nos demonstrou que nenhuma situação política, por fossilizada que pareça, é inevitável. Dois fenômenos de idêntica reação ligados à terra e ao sangue (os verdes e os nacionalistas) conservaram – ou reencontraram – no conjunto da Europa (ainda que também em outras partes do globo) o apoio de uma parte importante da população. Isso tem uma grande importância, ainda quando essas reações tem uma tendência a se dirigir a becos sem saída (nacionalismo reacionário ou chauvinista, integrismo religioso, etc.), pois um percentual nada desprezível da população se ocupa de valores próximos aos nossos, podendo assim obstaculizar a dominação do sistema.

Quem somos? Pelo que lutamos?

terça-feira, 6 de agosto de 2019

François Duprat - Manifesto Nacionalista Revolucionário

por François Duprat

(1978)



Nossa situação política impõe uma revisão drástica de nossos temas e de nossos métodos de ação, mas não basta, dessa vez, nos limitarmos a uma crítica, por mais fácil que seja, das experiências anteriores.

É impressionante constatar que nossas linhas de reflexão estão fundadas exclusivamente na história dos movimentos nacionalistas franceses, apesar de nossas profissões de fé anti-chauvinistas e “europeias”. Nós negligenciamos sistematicamente o aporte, passado mas também presente, de movimentos infinitamente mais importantes que os nossos, sob o pretexto de uma “especificidade nacional”.

É certo que cada país tem uma vocação particular e não podemos impor sobre um lugar os métodos de ação adaptados a outras estruturas. Mas não devemos exagerar essa dificuldade. É a incrível ignorância em relação à História e as atualidades dos chefes nacionalistas franceses que conduziu a esse estado de coisas. 

É, por isso, possível adentrar a escola de outras organizações nacionalistas, fazendo o esforço de adaptação assegurando a interpretação adequada da estratégia e da tática seguidas por estes movimentos.

O programa de ação nacionalista, que é apresentado aqui, é resultado direto dessa tomada de consciência: o nacionalismo revolucionário representa um valor universal que cada povo descobre com suas próprias modalidades, enquanto se apega a um fundo comum.

A nossa tarefa é a de definir esta “Via francesa para a Revolução Nacionalista”, a única possibilidade que existe para a nossa causa lutar pela vitória e não por novas derrotas!