domingo, 13 de dezembro de 2015

Eric Paulson - Bio-História

por Eric Paulson



Bio-História é o estudo da história informada pela biologia. A bio-história compreende a biologia humana e o ambiente natural como agentes que moldam eventos históricos (1).  Ainda que a bio-história não seja reconhecida pela American Historical Association como uma categoria separada no âmbito da disciplina, o termo é usado pelos estudiosos, incluindo historiadores acadêmicos.

As Raízes da Bio-História

As raízes intelectuais da bio-história podem ser traçadas desde o desenvolvimento da biologia evolutiva no final do século XIX. Seus antecedentes podem ser encontrados na geografia humana, na Escola dos Annales, na história ambiental, e na sociobiologia. A historiografia tradicional do século XIX estava preocupada principalmente com os feitos dos reis, papas e generais. Mas no início do século XX, a teoria da evolução estava influenciando o trabalho de muitos historiadores, geógrafos e cientistas sociais. Em 1901, o presidente da American Historical Association, Charles Francis Adams (irmão de Henry, que também serviu como presidente da AHA), declarou que o conhecimento da teoria de Darwin, "foi a linha divisória entre nós [historiadores contemporâneos] e os historiadores da velha escola"(2). Geógrafos como Ellsworth Huntington desenvolveram idéias sobre o determinismo racial e ambiental que mais tarde foram descartados, mas jamais refutados (3). Um ano depois de Huntington publicar Civilização e Clima, Madison Grant saiu com sua história racial da Europa (4). No entanto, no anos seguintes o campo nascente da bio-história foi estrangulado no berço pela antropologia boasiana e outras forças intelectuais e políticoas, tais como a Escola de Frankfurt (5).

Uma força contrária anti-liberal foi a Escola dos Annales, desenvolvido na França durante o período entre guerras. Liderados por Lucien Febvre e Marc Bloch, os Annalistes procuraram escrever o que chamaram de "história total" (6). Para conseguir isso eles adotaram uma abordagem interdisciplinar que incorporasse a geografia e as ciências sociais e físicas em seu trabalho. Isso era especialmente verdadeiro para Fernand Braudel, um estudante de Febvre, que liderou a segunda geração de Annalistes depois da guerra. Braudel acreditava que era necessário para os historiadores considerar os seres humanos como organismos vivos, e não perder de vista "a realidade biológica do homem." (7)

Começando na década de 1970 e 80 a história ambiental se transformou em um grande subcampo dentro da disciplina. Isso ajudou a situar o homem histórico no contexto do mundo natural, e estabeleceu o ambiente, tanto o natural como o modificado pelo homem, como um agente da história. À primeira vista, poderia parecer que os historiadores ambientais provavelmente cairiam no lado ambiental do debate meio-ambiente versus hereditariedade. Alguns sim, como Jared Diamond discutido abaixo. Mas porque o ambiente é um grande fator na equação evolutiva, é lógico para os historiadores ambientais serem receptivos à teoria darwiniana. Como Alfred Crosby, o decano dos historiadores ambientais americanas coloca, "A ideologia da história ambiental é, na sua raiz, biológica." (8) Ainda assim, muitos historiadores se preocupam com o temido rótulo do "determinismo biológico". Em janeiro de 2001 Edward O . Wilson, fundador da sociobiologia, dirigiu-se à 115ª conferência anual  da American Historical Association em Boston. Ele causou uma grande celeuma quando ele previu que a próxima geração de historiadores usaria a ciência biológica para responder a muitas das questões mais importantes da história (9).

Exatamente 100 anos (1901-2001) separar os pronunciamentos de Adams e Wilson, ambos previram que a biologia iria revolucionar o estudo da história. No entanto, o progresso tem sido lento. Não vai ser surpresa para os leitores deste jornal que a relutância dos historiadores em desafiar a ortodoxia ideológica do igualitarismo tem sido um obstáculo à integração da biologia, especialmente o estudo da variação humana, na historiografia.

Bio-História Sem Raça

A maioria dos historiadores que incorporaram a biologia em seu trabalho também se esforçaram para separar o conceito de raça da idéia de seres humanos como entidades biológicas. Um desses contorcionistas é Robert McElvaine, um professor de história na Millsap College (10). Segundo McElvaine, "a bio-história procura iluminar aspectos da história através de uma melhor compreensão da natureza humana - os traços fundamentais e predisposições que todos os humanos compartilham e que nos tornam iguais" (11). McElvaine limita a sua consideração às características que todas as pessoas compartilham. Mas não são as diferenças pelo menos tão interessantes e relevantes como as semelhanças? Se um historiador escrevesse uma história econômica do mundo ele poderia começar por referir características que todos os sistemas econômicos compartilham, mas certamente isso serviria apenas como ponto de partida para um estudo de como os sistemas se diferenciam.

Outra versão truncada de bio-história pode ser visto na obra de Jared Diamond. Diamond, um acadêmico não-historiador judeu, escreve sobre agência histórica e é crítico da historiografia acadêmica. Sua crítica se justifica na medida em que muitos historiadores acadêmicos negligenciam o nexo de causalidade em suas pesquisas. Em Armas, Germes e Aço Diamond, estabelece uma explicação igualitária para ascendência ocidental baseada no determinismo ambiental (12). Ele está preocupado que as teorias racistas que explicam domínio ocidental, embora oficialmente desacreditadas, mantenham seu controle do imaginário popular, de modo que "os ocidentais continuam a aceitar explicações racistas, privada ou inconscientemente" (13). Diamond acha essas explicações "repugnantes", mas no passado ele foi incapaz de oferecer uma refutação satisfatória para elas. "Até que tenhamos uma explicação convincente, detalhada e consensual para os amplos padrões da história, a maioria das pessoas continuará a suspeitar que a explicação racista biológica está correta afinal. Este parece ser, para mim, o argumento mais forte para escrever este livro".(14) Tendo apresentado os seus argumentos, Diamond conclui Armas, Germes e Aço, com uma sugestão para uma grande mudança na metodologia historiográfica. Ele apela para o desenvolvimento d "história humana como uma ciência, a par com ciências históricas reconhecidas como astronomia, geologia e biologia evolutiva." (15)

Em particular, muitos historiadores acadêmicos se ofenderam com as críticas de Diamond de que sua disciplina carece de rigor científico; outros descartaram seus comentários como os de um diletante que não entende seu campo. Ele, porém, não é facilmente ignorável. Seus dois livros mais recentes sobre bio-história ambiental tornaram-se bestsellers. Eles são anunciados em revistas de história e vendidos em conferências de história. Ele agora é um intelectual público entrevistado na NPR e similares. Ironicamente, a ciência que Diamond insta os historiadores a abraçar pode acabar minando sua ideologia anti-racial.

Em seu segundo livro, Colapso, (16) Diamond dedica vários capítulos para a ascensão e queda dos nórdicos da Groenlândia, os escandinavos que colonizaram a ilha no final do século X. Por meio milênio eles ganharam a vida naquele remoto posto avançado da civilização ocidental. Na época das viagens de Colombo a Groenlândia Nórdica havia desaparecido. Não há nenhum registro escrito do que aconteceu com eles, mas historiadores e arqueólogos concordam que a Pequena Idade do Gelo (cerca de 1300-1750) desempenhou um papel em sua morte. A Groenlândia foi colonizada durante o Período Quente Medieval (800-1250). Os nórdicos construíram uma economia baseada no pastoreio, caça e comércio, principalmente com a Islândia e a Noruega. Uma vez que o clima esfriou, a criação de gado já não era possível, e gelo sufocava as rotas de navegação, o que dificultou o comércio. Os assentamentos nórdicos morreram lentamente e foram substituídos por inuits (esquimós). Diamond escreve que, se os nórdicos tivessem sido flexíveis o suficiente para adotar a cultura dos inuit, incluindo uma dieta de peixes além de mamíferos marinhos, eles poderiam ter sobrevivido. Mais do que qualquer outra coisa, foi a recusa obstinada daos nórdicos em abandonar o pastoreio que levou à sua queda. Se os nórdicos tivessem se integrado fisicamente e culturalmente com os inuit, como Diamond propunha, eles teriam, naturalmente, deixou de ser nórdicos. Além deste fato óbvio, existem fortes dúvidas de que esse caminho estava aberto para eles.

A Relevância da Raça

Os historiadores ambientais agora percebem que as expansões e contrações demográficas dos povos ao longo da história, muitas vezes tem sido moldadas por fatores biológicos e ambientais (17). Se Diamond houvesse consultado o Imperialismo Ecológico de Alfred Crosby antes de escrever Colapso ele poderia ter chegado a uma conclusão diferente sobre a Groenlândia Nórdica. Crosby cunha o termo neo-europeus para descrever os povos europeus que se instalaram fora de suas terras natais do Velho Mundo. Ele sugere que os neo-europeus não poderiam dominar demograficamente novos territórios a menos que e até que eles fossem capazes de modificar o ambiente físico para atender suas necessidades bio-culturais. Para prosperar, os neo-europeus precisavam estabelecer um regime agrícola misto. Para sobreviver, eles precisavam, pelo menos, sustentar seus animais domesticados. Crosby escreve: "Os neo-europeus eram descendentes, culturalmente e, muitas vezes geneticamente, de indo-europeus...um povo que estava praticando agricultura mista com uma forte ênfase no pastoreio 4.500 anos antes Columbo (18). Desde seu início as sociedades indo-europeias tem sido pastorais. É provável que depois de 2.000 gerações, as sociedades europeias não podessem satisfazer as suas necessidades nutricionais sem seus animais doméstico (19). Em um livro anterior, Crosby observou que, mesmo um pobre camponês irlandês necessitava de "um pouco de leite", além de batatas, "para manter uma família calorosa (20)".

A alegação de Crosby de que os europeus precisavam de seus animais para sobreviver está em linha com a descoberta da mutação da tolerância à lactose que permite que a maioria dos europeus para digiram o leite enquanto adultos, diferentemente da maioria dos asiáticos, africanos e ameríndios. A mutação surgiu aproximadamente no mesmo tempo que a cultura indo-européia começou nas estepes do sudeste da Europa. Este é um exemplo do que  sociobiologistas chamam de co-evolução gene/cultura. A disponibilidade de produtos lácteos, juntamente com fontes alternativas limitadas de nutrição evoluíram na capacidade de digerir leite durante toda a vida. Dada a falta de variedade na dieta da Groenlândia Nórdica, produtos lácteos poderiam ter se tornado um imperativo nutricional. Por nem mesmo considerar a possibilidade de que os nórdicos não pudessem satisfazer suas necessidades nutricionais sem animais domésticos, Diamond revela um ponto-cego analítico produzido por sua ideologia igualitária rígida . Somente ao ignorar as diferenças genéticas entre etnias poderia Diamond ter defendido que os nórdicos adotassem a dieta livre de produtos lácteos do inuit.

Então, o que aconteceu com a Groenlândia Nórdica? É improvável que eles simplesmente morreram de fome. É provável que, como as condições se deterioraram, os nórdicos mais jovens e mais enérgicos tenham emigrado de volta à Islândia e à Noruega, e a população velha e decrépita remanescente morreu. Cerca de 200 anos depois de terem abandonado a ilha, os nórdicos retornaram na forma de colonizadores dinamarqueses. Assim, a lição da Groenlândia Nórdica não é a que Diamond queria que aprendêssemos (ou seja, os benefícios da assimilação racial/cultural), mas sim que em momentos de estresse social extremo uma retirada e re-unificação estratégicas poderiam ser o melhor curso para sobrevivência (21).

Raça e Ecravidão nas Américas

A obra de Alfred Crosby é um exemplo de como bio-história geneticamente ligada  tem, ao longo das últimas décadas, pingado na historiografia mainstream. Há outros exemplos. Imunidade e resistência a doenças também têm sido um tópico importante na bio-história. Estes desempenharam um grande papel no estabelecimento da escravidão africano na América. Os historiadores têm sido particularmente interessados em como a escravidão tornou-se estabelecida nas colônias britânicas muitos séculos depois da instituição ter morrido nas ilhas britânicas.

Durante o início do século XVII os ingleses começaram a colonizar o continente norte-americano e o sul do Caribe. Inicialmente, os plantadores usavam trabalho escritural inglês e irlandês em suas propriedades. Esses trabalhadores não eram livres, mas eles também não eram escravos. Por exemplo, durante a década de 1630 o plantador pioneiro Sir Henry Colt usava trabalhadores ingleses para estabelecer suas plantações em São Cristóvão. Em 1631, ele escreveu para casa pedindo "mais de quarenta servos" para expandir seus campos (22). Presumivelmente, se ele queria mais trabalhadores ingleses, os já presentes eram, pelo menos, adequados à tarefa de limpar as florestas tropicais para o plantio - trabalho pesado em sob calor escaldante. No entanto, dentro de cinqüenta anos da carta de Colt, a força de trabalho de São Cristóvão tinha sido transformada de branca para negra. Em parte, isso foi devido a uma relativa escassez de trabalhadores brancos e a disponibilidade de escravos negros (23). Havia também, no entanto, fatores biológicos envolvidos nesta mudança.

Quando os europeus conquistaram e se estabeleceram no Novo Mundo, eles encontraram terras ricas em recursos com relativamente baixa densidade populacional (24). Grande riqueza poderia ser produzida se o trabalho pudesse ser encontrado. Em regiões tropicais e subtropicais, os trabalhadores eram frequentemente escravos africanos. As explicações para esta escolha tem mudado ao longo do tempo. No século XVII, os europeus consideravam negros como selvagens pagãos necessitados da civilização cristã e especialmente adequados para trabalho servil. No século XX, os historiadores marxistas europeus viam os europeus como pessoas especialmente intolerantes e gananciosas que exploravam os vulneráveis africanos. Este ponto de vista estava implícito em The Peculiar Institution de Kenneth Stampp, uma história da escravidão americana escrita no auge da mentalidade "raça é apenas superficial". De acordo com Stamp, "os negros são, afinal, apenas homens brancos com pele negra, nada mais, nada menos (25)". Menos de uma década depois de Instituição Peculiar de Stampp, Philip Curtain documentou que fatores epidemiológicos estiveram envolvidos na seleção de trabalho escravo africano (26). Na década de 1980, pelo menos, alguns historiadores reconheceram que características fisiológicas, epidemiológicas e  nutricionais dos negros da África Ocidental lhes deram uma vantagem adaptativa como trabalhadores nos trópicos. Em uma mudança considerável do pronunciamento de Stampp o historiador afro-americano Kenneth Kiple argumentou que, "negros e brancos de fato diferem por natureza, em muitos aspectos importantes", e que cientificamente, "raça continua a ser um conceito viável (27)".

É agora amplamente aceito que características físicas, tais como a pele escura, um grande número de glândulas sudoríparas, e outros "traços negróides" são adaptações para a atividade física em ambientes quentes, úmidos e ensolarados (28). Além disso, a doença inexoravelmente selecionou os negros para o trabalho nos trópicos (29)". Os dois principais patógenos peculiares ao Velho Sul foram febre amarela e malária falciparum. Duas aflições menores foram bouba e tênias. Estas infecções são de origem africana e afetaram europeus e ameríndios de forma desproporcional (30). Assim, uma vez que escravos africanos e doenças africanas tivessem sido introduzidos nas Américas, estas últimas reforçaram a decisão de usar aqueles.

Outro fator racial que favoreceu o uso de escravos africanos foram suas necessidades nutricionais mais baixas. Animais domésticos geralmente não prosperam nos trópicos. Isto é particularmente verdadeiro para o gado leiteiro (31). Este é de pouca importância para as pessoas de ascendência africano ocidental, porque após a infância eles não têm a capacidade de digerir leite devido à intolerância a lactose (32). De fato, os africanos ocidentais têm tradicionalmente subsistido com uma dieta muito baixa em proteína. Assim, "mesmo a dieta miserável de escravos nas Américas era superior (ou, pelo menos, mais rica em proteína) a de seus primos africanos (33)". A capacidade dos africanos para sobreviver em uma dieta de baixa proteína desprovida de produtos lácteos os ajudou a subsistir, onde os trabalhadores brancos contratados não podiam. Com o tempo, "a América das plantations tornou-se uma extensão dos ambientes nutricionais e epidemiológicos da África (34)". Porque a África Ocidental é "a casa das doenças mais perigosas do homem e das áreas mais nutricionalmente empobrecidas do mundo", os africanos ocidentais tinham as adaptações físicas para sobreviver ao calor abrasador, juntamente com os "rigores nutricionais e epidemiológicos que os aguardava" nas plantations americanas (35).

Em resumo, o processo que estabeleceu a escravidão africana nas colônias anglo-americanas começou com uma escassez de mão-de-obra branca que levou alguns plantadores a importar escravos africanos. Esses escravos trouxeram com eles doenças africanas que tiveram um impacto desproporcional sobre os brancos e índios, que não tinham sido previamente expostos a elas. O trabalho africano ocidental também foi capaz de subsistir com menos comida e roupas do que os trabalhadores brancos. Além disso, os trabalhadores brancos eram contrários a labuta ao lado de escravos negros. Brancis se tornavam rebeldes e improdutivos em grupos de trabalho mistos. Assim, uma vez que alguns plantadores tomaram a decisão de importar mão-de-obra negra, fatores ambientais, genéticos, culturais e econômicas levaram à substituição de brancos com negros como trabalhadores de campo em plantações coloniais inglesas.

Perspectivas para a Bio-História

A agência de características epidemiológicas, nutricionais e outras fisiológicas geneticamente baseadas de etnias desde há muito, pelo menos parcialmente, embora com relutância, tem sido aceita pela historiografia oficial. Mas o que dizer de características psicológicas, incluindo a inteligência? Em Compreendendo a História Humana Michael Hart interpreta o passado em termos de apenas estas características (36). Sua obra ainda não tem atraído muita atenção, muito menos aceitação de historiadores acadêmicos. Mas, embora os historiadores acadêmicos tenham evitado a questão da inteligência média grupal, um livro recente de Gregory Clark, Um Adeus às Esmolas, sugere que as diferenças no comportamento de base genética podem explicar a Revolução Industrial que ajudou a aumentar o conhecimento, riqueza e poder do Ocidente (37).

Para Clark, professor escocês de economia da Universidade da Califórnia, a Revolução Industrial foi o divisor de águas na história da humanidade. Todas as sociedades pré-industriais foram pegas em uma armadilha malthusiana em que qualquer ganho na capacidade produtiva levou a um aumento da população que negou o aumento da riqueza. Assim, enquanto a população humana aumenta, o padrão de vida para a maioria, medido por indicadores como o número de calorias consumidas, não se levanta. Com a chegada da industrialização, a produtividade aumentou muito mais rápido do que a população, elevando o padrão de vida para quase todos na sociedade. Curiosamente, em seu prefácio Clark compara seu livro ao de Diamond Armas, Germes e Aço. Ambos são grandes histórias que procuram explicar a ascensão do Ocidente (referido por Clark e outros, como a "Grande Divergência"). Enquanto fazendo perguntas um tanto similares, Clark e Diamond chegam a respostas muito diferentes. Em contraste com a explicação ambiental/geográfica de Diamond, Clark traz o darwinismo social ao século XXI com o uso de cliométrica (38).

Os historiadores há muito tempo tem questionado por que a Revolução Industrial começou quando e onde ela começou: fins do século XVIII e início do século XIX na Inglaterra. Clark acredita que séculos de estabilidade econômica e política, bem como crescimento populacional lento conjutado com "a fecundidade extraordinária dos ricos e economicamente bem-sucedidos" levou à "a incorporação dos valores burgueses na cultura e talvez até mesmo na genética da Inglaterra." (39) Na relativamente estável e pacífica Inglaterra pré-industrial os educados e industriosos tendiam a prosperar e ter famílias numerosas. Oportunidades econômicas, no entanto, foram tão limitadas que a maioria das crianças dos ricos decaíam socialmente. Como resultado, eles estenderam suas características culturais e genéticas para as classes mais baixas. O estabelecimento de uma sociedade burguesa na Inglaterra é outro exemplo co-evolução gene/cultura. No início da Inglaterra moderna "as características da população foram mudando através da seleção darwiniana." O resultado foi que "a cultura de classe média se propagou em toda a sociedade através de mecanismos biológicos". (40) Enquanto Clark não afirma que os ingleses não eram mais inteligentes do que os outros povos, ele acredita que os valores e comportamentos com base genética estiveram no centro da Revolução Industrial e da ascendência ocidental. Na mente popular evolução é algo que ocorreu no passado distante, levou milênios para ser concluída, e foi realizado pelas forças da natureza. A pesquisa de Clark aponta que a evolução humana continua a ocorrer durante tempos históricos, que uma mudança significativa pode levar séculos em vez de eras, e evolução pode ser impulsionada pelo ambiente cultural, bem como o ambiente natural.

Em A Explosão de 10.000 Anos da Universidade de Utah os antropólogos Gregory Cochran  e Henry Harpending adaptaram algumas das idéias de Clark para um contexto global, e um cronograma que se estende por toda a história do Homo Sapiens (41). Os autores acham que os diversos grupos populacionais têm evoluído diferenças genéticas durante o tempo histórico. Algumas dessas diferenças genéticas deram vantagens competitivas para os grupos que os possuem. Assim a "mudança biológica tem sido um fator chave que conduz a história." (42) Talvez a tese mais interessante de Cochran e Harpending é que, em vez de acabar com a evolução humana, a civilização moderna tem realmente acelerado o seu ritmo.

Conceitos como "darwinismo social" e "determinismo biológico" têm sido usados ​​para censurar aqueles que aplicaram teorias biológicas para a história e as ciências sociais. Durante décadas a hostilidade da esquerda tem desencorajado, obstruído, ou obscurecido pesquisa acadêmica para o que hoje chamamos de bio-história. No entanto, com o trabalho de estudiosos como Clark, Cochran e Harpending nós podemos finalmente estar vendo os avanços na historiografia previstas por Adams e Wilson. É cada vez mais claro que o caminho para uma maior compreensão do nosso passado e do presente deve incluir o estudo da diversidade biológica humana.

Notas

1 - Uma definição mais formal de bio-história é: "Uma abordagem de ecologia humana que enfatiza a interação entre processos biofísicos e culturais. Seu ponto de partida é o estudo da história da vida na Terra; e os princípios básicos da evolução, ecologia, fisiologia e, e as sensibilidades dos seres humanos, o surgimento da aptidão humana para a cultura e sua importância biológica. Ela está particularmente preocupada com a interação entre os processos culturais e sistemas biofísicos, tais como os ecossistemas e as populações humanas". Susan Mayhew, “Biohistory,” A Dictionary of Geography (Oxford: Oxford University Press, 2004), 56.

2 - Charles Francis Adams, “The Sifted Grain and the Grain Sifters,” American Historical Review 6 (1901), 199.

3 - Ellsworth Huntington, Civilization and Climate (New Haven: Yale University Press, 1915). Uma das teorias de Huntington foi que ao longo do tempo climas tropicais e subtropicais tem um efeito enervador sobre aqueles que ele chama de "teutões".

4 - Madison Grant, The Passing of the Great Race, or The Racial Basis of European History (New York: Charles Scribner's Sons, 1916).

5 - "O triunfo da escola boasiana da antropologia sobre o darwinismo nos primeiros anos do século 20 foi um divisor de águas na história intelectual do Ocidente - em efeito mais ou menos obliterando o que tinha sido um meio intelectual darwiniano próspero." Kevin MacDonald, “Ben Stein's Expelled: Was Darwinism a Necessary Condition for the Holocaust?,” The Occidental Observer, December 1, 2008, http://www.theoccidentalobserver.net/articles/MacDonald-BenStein.html.

6 - Bloch era um judeu que pode ter tido sentimentos ambivalentes sobre seus correligionários. Muitos o consideravam um patriota francês. Bloch fugiu para o território de Vichy em 1940, onde, como um notável erudito, ele continuou a ensinar sem ser molestado. Ele e sua família tiveram oportunidades de se mudar tanto para os Estados Unidos como para as Antilhas Francesas. Ele decidiu ficar na França e em 1943 entrou para a resistência. Em 1944 ele foi capturado pelos alemães e fuzilado.

7 - Fernand Braudel, On History, trans. Sarah Matthews (Chicago: University of Chicago Press, 1980), 105-6. Braudel também participou na Segunda Guerra Mundial. Com a queda da França em 1940 Braudel, então  um oficial do exército francês, se tornou prisioneiro de guerra e passou cinco anos em cativeiro alemão. Durante este tempo, sem notas ou materiais de referência, ele escreveu sua dissiertação sobre a região mediterrânea.

8 - Alfred W. Crosby, “The Past and Present of Environmental History,” American Historical Review 100 (1995), 1189.

9 - Gareth Cook, “Wilson Rattles Historians with 'Bio-History' Theories,” Boston Globe, January 16, 2001, F3.

10 - A maior contribuição de McElvaine para a bio-história é Eve's Seed: Biology, the Sexes, and the Course of History (New York: McGraw Hill, 2001), uma história mundial desde uma perspectiva feminista.

11 - Robert S. McElvaine, “The Relevance of Biohistory,” The Chronicle of Higher Education 49, October 18, 2002, B11.

12 - Jared Diamond, Guns, Germs, and Steel: The Fate of Human Societies (New York: Norton, 1997).

13 - Diamond, Guns, Germs, and Steel, 19.

14 - Diamond, Guns, Germs, and Steel, 25.

15 - Diamond, Guns, Germs, and Steel, 408.

16 - Jared Diamond, Collapse: How Societies Choose to Fail or Succeed (New York: Viking-Penguin, 2005).

17 - Para um estudo global ver Alfred W. Crosby, Ecological Imperialism: The Biological Expansion of Europe, 900-1900 (New York: Cambridge University Press, 1986). PAra um estudo de caso do mesmo fenômeno na Nova Inglaterra ver William Cronon, Changes in the Land: Indians, Colonists, and the Ecology of New England (New York: Hill and Wang, 1983).

18 - Crosby, Ecological Imperialism, 172.

19 - Ward H. Goodenough, “The Evolution of Pastoralism and Indo-European Origins,” George Cardona, Henry Hoenigswald, and Alfred Senn, eds., Indo-Europeans and Indo-European Origins (Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1970), 252-65.

20 - Alfred W. Crosby, The Columbian Exchange: Biological and Cultural Consequences of 1492 (Westport, Conn.: Praeger, 2003), 183.

21 - As conclusões de Diamond sobre os nórdicos groelandeses ecoam os argumentos de Thomas McGovern que escreveu, "Podemos criticar os nórdicos por manterem uma perspectiva conservadora, estratificada, eurocêntrica...[que escolheu] a preservação da pureza étnica às custas da sobrevivÊncia". “The Demise of Norse Greenland,” in William Fitzhugh and Elisabeth Ward, eds., Vikings: The North Atlantic Saga) Washington, D.C.: Smithsonian Institution Press, 2000), 338.

22 - Richard S. Dunn, Sugar and Slaves: The Rise of the Planter Class in the English West Indies, 1624-1713 (Chapel Hill: University of North Carolina Press, 1972), 9. Ainda que ele não enfatize fatores biológicos, Dunn documenta a transição de trabalhadores brancos para escravos negros no Caribe inglês.

23 - As áreas agrícolas da África Ocidental tinham uma economia escravista e um enorme comércio escravagista que antecedia a exploração europeia. Começando no século XV, os europeus se conectaram a este comércio escravagista africano.  See John Thornton, Africa and Africans in the Making of the Atlantic World, 1400-1680 (New York: Cambridge University Press, 1992).

24 - O número de ameríndios pré-contato está em disputa. Qualquer seja o número, a população foi bastante reduzida pela introdução de doenças do Velho Mundo nas Américas.

25 - Kenneth M. Stampp, The Peculiar Institution: Slavery in the Ante-Bellum South (New York: Vintage Books, 1989), vii.

26 - Philip D. Curtin, “Epidemiology and the Slave Trade,” Political Science Quarterly 82 (1967): 190-216. Por séculos foi sabido que negros eram menos suscetíveis a certas doenças que brancos. A razão para isso não pôde ser explicada até o advento da medicina e genética modernas.

27 - Kenneth F. Kiple and Virginia Himmelsteib King, Another Dimension to the Black Diaspora: Diet Disease, and Racism (Cambridge: Cambridge University Press, 1981), xii, xiv.

28 - Kiple, Another Dimension, 5.

29 - Kenneth F. Kiple, The Caribbean Slave: A Biological History (Cambridge University Press, 1984), 4.

30 - Albert E. Cowdrey, This Land, The South: An Environmental History, rev. ed. (Lexington: University of Kentucky Press, 1996), 83. Kiple, Caribbean Slave, 7.

31 - Cowdrey, This Land, This South, 77.

32 - "Uma alta frequência de intolerância a lactose...caracteriza os africanos ocidentais e seus descendentes, os deixando incapazes de consumir muito leite" - Kiple, Another Dimension, 11.

33 - Kiple, The Caribbean Slave, 23.

34 - Kenneth Kiple, “A Survey of Recent Literature on the Biological Past of the Black,” in Kenneth Kiple, ed., The African Exchange: Toward a Biological History of Black People (Durham: Duke University Press, 1988), 8.

35 - Kiple, The Caribbean Slave, 5.

36 - Michael Hart, Understanding Human History: An Analysis Including the Effects of Geography and Differential Evolution (Augusta, GA.: Washington Summit Publishers, 2007) was reviewed in TOQ vol.7, no.4.

37 - Gregory Clark, A Farewell to Alms: A Brief Economic History of the World (Princeton: Princeton University Press, 2007).

38 - Após fazer uma crítica ligeira ao darwinismo social, Clark segue escrevendo que "os insights de Darwin de que enquanto a população fosse regulada por mecanismos malthusianos, a humanidade estaria sujeita à seleção natural estavam profundamente corretos" (A Farewell to Alms, 122). Cliometrics, broadly defined, is the use of statistics in historical research.

39 - Clark, A Farewell to Alms, 11.

40 - Clark, A Farewell to Alms, 259.

41 - Gregory Cochran and Henry Harpending, The 10,000 Year Explosion: How Civilization Accelerated Human Evolution (New York: Basic Books, 2009). Entre outras descobertas, Cochran e Harpending fornecem evidência dando suporte para a crença de Crosby, expressada 25 anos antes, de que o gado doméstico, especialmente o leiteiro, desempenhou um papel fundamental na expansão indo-europeia.

42 - Cochran and Harpending, The 10,000 Year Explosion, 67.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.