sábado, 3 de janeiro de 2015

Andrei Volkov - Entrevista com Rafael Lusvarghi, Voluntário Brasileiro na Nova Rússia

por Andrei Volkov

Traduzido por Raphael Camisão



(NT: Esta entrevista foi feita no dia 1/1/2015 pelo russo Andrei Volkov para o site sueco Operation Novorossiya com Rafael Lusvarghi, brasileiro que figurou nos noticiários ao ser brutalizado pela polícia durante as manifestações de meados de 2014, teve a imagem explorada ao ter a vida detalhadamente descoberta, e, agora, encontra-se lutando na Nova Rússia contra a Junta de Kiev. Apesar de introduções longas geralmente se fazerem necessárias, a entrevista é completa o bastante.)

Andrei: Poderia apresentar-se?

Lusvarghi: Meu nome é Rafael Marques Lusvarghi, nasci em Jundiaí, perto de São Paulo, no Brasil. Servi na Legião Estrangeira Francesa por alguns anos, e, de volta ao Brasil, tornei-me um tenente na Polícia Montada. Sempre tive grande amor pela Rússia, e é por isso que vivi lá por um tempo e aprendi cultura, língua e história.

Andrei: Dada a situação na Nova Rússia, como está se mantendo?

Lusvarghi: Estou me mantendo bem. Sou um guerreiro profissional... (risos) E, com meus camaradas aqui, formamos uma família de verdade. Então, apesar de todas as dificuldades e dos sacrifícios, tudo tem ido bem.

Andrei: Você mencionou ter experiência militar, mas que tipo de vida você tinha antes de se juntar a nossos camaradas na Nova Rússia, e o que o fez ir, em primeiro lugar?

Lusvarghi: Antes de vir, eu trabalhava para a IBM em Campinas, e tinha trabalhos extras como professor de língua estrangeira. Eu me envolvi por um tempo nas manifestações brasileiras contra a corrupção e a maneira como prepararam a Copa do Mundo em meu país. Quando o Maidan apareceu em Kiev, já estava interessado em ajudar. Assim que a guerra estourou, com meu currículo militar, eu tinha certeza que podia ajudar a terra que é a dos meus ancestrais. É uma honra poder ajudar.

Andrei: Você tem planos de voltar para casa? Caso sim, como acha que seu país vai recebe-lo quando chegar?

Lusvarghi: Tenho o desejo te ir para o Brasil para visitar minha família e meus amigos. No entanto, planejo ficar aqui e criar minha própria família. Mas esta guerra será longa, e prefiro viver o momento que sonhar com um futuro.
Não tenho dúvida que serei aclamado por alguns como um herói. Por outros, como um criminoso. Meu governo, no entanto, é bastante neutro, e não espero muitos problemas. Talvez alguma visita à Polícia Federal para prestar depoimentos, mas nada além disso.

Andrei: Você fala russo? Caso contrário, como se comunica com seus camaradas russófonos?

Lusvarghi: Falo russo. Comunicação não é um problema para mim.

Andrei: Caso você tenha, quais são suas visões políticas sobre a guerra na Nova Rússia? E, caso tenham acontecido, que discussões você teve com os soldados com os quais você serve?

Lusvarghi: Sou um grande fã de Aleksandr Dugin e das teorias políticas eurasianas. Não são muito conhecidas por aqui. É bom lembrar que as pessoas com as quais luto são de classes baixas, e carecem de educação formal. Mas gostaria de dizer que eles têm elementos do socialismo e muitos sentimentos nacionalistas. Também gostaria de dizer que eles são contra o trotskismo e contra a esquerda moderna. Acreditam, assim como eu, que andam lado a lado com os oligarcas e os poderes ocidentais que oprimem estas terras.

Andrei: Como falamos com o camarada (Victor) Lenta mais cedo, pouco foi dito sobre o sofrimento dos civis novorrussos na mídia sueca. Muitos são fortemente antirrussos, e a propaganda de guerra descarada contra a Rússia e comumente vista em artigos nos jornais suecos. Você tem algo a dizer ao povo da Suécia sobre a cituação da população civil (no passado ou no presente) como um resultado dos ataques em Donetsk ou em Lugansk?

Lusvarghi: Sim. Vi com meus próprios olhos o que aconteceu quando unidades mais “politizadas” das forças ucranianas, como a Guarda Nacional e regimentos mercenários e voluntários vieram a nossas terras. Eles fizeram limpeza étnica. Vi crianças, mulheres e idosos mortos. Também, por causa do bloqueio, se não fosse pela ajuda humanitária russa, a população civil estaria passando fome e sem medicamentos.

Andrei: Em seu país, como as pessoas veem o conflito entre a OTAN e a Rússia, entre a Ucrânia e a Nova Rússia? Há muitos que apoiam a Nova Rússia? Como se tem noticiado o conflito, amigavelmente para com os EUA ou o contrário?

Lusvarghi: O governo brasileiro é neutro, mas a mídia é totalmente apoiadora da OTAN e dos EUA. Ainda assim, penso que os brasileiros, em sua maioria, estejam apoiando o povo de Donbass. Não necessariamente a Rússia, mas as pessoas daqui.
Também, por causa da Copa do Mundo, das eleições, das manifestações e do escândalo de corrupção da PETROBRAS, a mídia brasileira não tem coberto muito do que se passa aqui. Pelo menos é o que disse minha família...

Andrei: Tem algo que você gostaria de dizer a nossa audiência sueca que está lendo esta entrevista?

Lusvarghi: Gostaria de lembrar que as leis internacionais forçam que qualquer região ou povo tem o direito de declarar sua independência unilateralmente,  mesmo que seja contra a lei do governo central que os controla. Assim fez Kosovo. Assim fez a América. Assim fizeram muitos. Por que não o povo de Donbass? Por que o Ocidente apoia tais ações, e, agora, abruptamente e sem argumentos, condena-as?

Andrei: Obrigado por conceder-nos um pouco de seu merecido tempo livre para responder estas perguntas. Em nome de todos os meus camaradas suecos e da Operation Novorossiya: Solidarity Donbass, desejo a você toda a sorte em empreendimentos futuros. Espero falar com você de novo em breve!

Lusvarghi: Obrigado!
Mais uma coisa: diga aos suecos que deveriam lembrar-se de seu passado pagão, lutando contra a opressão cristã e a conversão forçada!

Andrei: Direi!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.