sábado, 27 de setembro de 2014

Entrevista com Aleksandr Dugin no Encontro Nacional Evoliano - A Nova Rússia é a resistência contra a Nova Ordem Mundial

por Raphael Machado



Essa interessante entrevista foi realizada na sexta-feira do dia 12 de Setembro de 2014, durante um dos intervalos entre as palestras do Encontro Nacional Evoliano que se realizou em São Paulo. Até então não houve em português qualquer material que lidasse mais profundamente com todas as implicações ideológicas da crise ucraniana, com o papel dúplice e problemático da atuação do Kremlin e com as perspectivas e possibilidades futuras relacionadas a esse conflito. A distância e o controle total exercido pelas forças atlantistas sobre nossa mídia não ajudam. Pensamos ser este o diálogo mais claro e esclarecedor para brasileiros até agora sobre todas as questões relativas a Nova Rússia, um tema que tem gerado todo tipo de controvérsias, discussões, debates e rixas nos meios políticos e intelectuais, tanto do establishment como do meio dissidente. E acreditamos que não poderia ser diferente. Como o professor Aleksandr Dugin, que está absolutamente implicado e envolvido nessas questões, deixa claro a Nova Rússia é a linha divisória, o divisor de águas entre "nós" e "eles", entre inimigos da modernidade e lacaios, conscientes ou não, da modernidade. 

Agradecimentos aos camaradas D.Vinco, que fotografou a entrevista, J. Neto, que forneceu o gravador e A. Ortega, que formulou a última pergunta da entrevista, e principalmente ao professor Dugin que nos concedeu um pouco de seu tempo para responder a essas dúvidas. 

1 – Qual é o papel do Eurasianismo e do Movimento Eurasiano no processo de construção da Nova Rússia?

Teoricamente a idéia da separação de parte da Ucrânia já era afirmada nos anos 90, nos meus escritos chamados “Fundamentos da Geopolítica”, onde está a mesma idéia, que é: a Ucrânia deve ser dividida ou entrar no contexto eurasianista, que é pouco provável. 

A razão para isso é que há duas identidades dentro da Ucrânia, dois povos, duas sociedades, com opções totalmente divergentes. 

Uma parte das pessoas jovens da Ucrânia do leste era parte do Movimento Eurasianista desde antes, mas é interessante que algumas pessoas do Pravyi Sektor, entre os nacionalistas ucranianos, também estavam interessadas pela Quarta Teoria Política, por geopolítica, por Tradicionalismo, etc. 

Mas a idéia era: o que prevalece? A Geopolítica ou a Terceira Via, o Neonacionalismo? A questão da geopolítica era mais importante, porque do ponto de vista da geopolítica, a identidade oriental da Ucrânia deve se desenvolver somente no contexto eurasiático. 

E com isso teria sido possível preservar a Ucrânia íntegra, unida. Isso era possível no contexto eurasiático. Mas com o golpe de Estado, isso se tornou impossível, fundamentalmente porque os atlantistas apoiaram os ultranacionalistas, os pequeno-nacionalistas, os nacionalistas ressentidos em relação a Rússia, contra a outra parte da Ucrânia. Depois do golpe de Estado não era mais possível preservar a Ucrânia. 

Os eurasianistas do leste eram a vanguarda do movimento da Nova Rússia. É interessante que os tradicionalistas que estavam antes influenciados por minhas idéias, pelo eurasianismo, também eram a vanguarda do Pravyi Sektor. Duas partes que eram mais ou menos influenciados pela Nova Direita, pelo Tradicionalismo e também pelo Eurasianismo se dividiram. 

Mas os liberais, os pró-ocidentais, estavam em Kiev, os oligarcas, os judeus, os liberais, os atlantistas, e assim os tradicionalistas estavam sendo instrumentalizadas e usadas pelos liberais e não representam o movimento do Maidan. 

Já na Nova Rússia ocorria o oposto, as pessoas que representavam o movimento eurasianista são os líderes da Nova Rússia, do Donbass, desde o começo, desde a Criméia. Os eurasianistas do leste estavam no centro dos acontecimentos, com nosso apoio também, e muitos eurasianistas lutam na Nova Rússia. 

Por exemplo, Igor Strelkov é meu amigo, e é muito significativo que hoje ele é a pessoa depois de Putin mais importante politicamente na Rússia. Ele é o segundo em popularidade, Putin com 80%, Strelkov com 60%. Muito mais popular que Medvedev, é um fenômeno total. E ele é meu amigo, comparte totalmente de todas as minhas idéias. Muitos outros, muitos camaradas que foram mortos, que lutam, que participam politicamente, militarmente, ideologicamente, estão implicados na Nova Rússia. 

A Nova Rússia é minha guerra, é a nossa guerra, porque ela é não apenas uma luta por interesses nacionais russos, mas pelas idéias, pelos ideais, pelos princípios. É muito importante que uma grande quantidade dos russos considera essa guerra da Nova Rússia como a guerra patriótica pela Grande Rússia. E não como guerra étnica, porque entre as pessoas da Nova Rússia muitos são ucranianos. Não é uma guerra entre ucranianos e russos, mas entre o pequeno-nacionalismo de sangue e o grande-nacionalismo imperial do solo.  

2 – Qual é a importância potencial da Nova Rússia para o projeto contra-hegemônico multipolar e para as forças antiliberais ao redor do mundo?

É importante porque a identidade ideológica e política da Rússia atual depende diretamente da Nova Rússia. E a luta interior na Rússia hoje se dá entre a sexta-coluna e o campo patriótico ao redor de Putin. E é muito importante porque essa guerra é particularmente mortal. Se a sexta-coluna vencer isso será uma catástrofe não apenas para a Nova Rússia, porque Moscou não apenas estará abandonando a Nova Rússia, o Donbass, mas também a Criméia e a própria Rússia.

Porém se os patriotas vencerem, isso significaria que a Rússia voltaria à História. A sexta-coluna não permite que a Rússia se desenvolva no sentido necessário para tornar o mundo multipolar mais concreto. Nesse sentido, a luta para a Nova Rússia é a luta pela Rússia, mas a luta pela Rússia é a luta pelo mundo multipolar, e essa lógica demonstra que na verdade este é o ponto do mundo mais importante hoje. Nenhum outro lugar, nenhuma outra guerra é tão importante para o futuro do mundo quanto a luta pela Nova Rússia. 

3 - Quais forças político-ideológicas, além dos eurasianos, também estão representados na luta pela Nova Rússia?

Há muitas forças que também estão lá. Há os monarquistas; Strelkov, por exemplo, é um monarquista. O povo da Unidade Nacional Russa de Barkashov, são imperiais, e estão bastante envolvidos. Muitos movimentos nacional-ortodoxos, nacional-imperiais estão lá, alguns comunistas stalinistas também. O chefe de gabinete de Strelkov, que é monarquista, é stalinista, por exemplo. É muito importante que o chefe de gabinete do monarquista Strelkov seja um comunista. Isso é importante como exemplificação dessa síntese. Há também nacional-bolcheviques, porque Limonov mudou de posição outra vez. Voltou às posições nacional-bolcheviques originais. Não é popular, não é importante, mas é simbólico, há muita gente de esquerda e todos os tipos de nacionalistas também. 

Somente uma pequena parte dos nacionalistas estão com o Pravyi Sektor, contra Putin e são pró-liberais. Isso era muito importante como prova definitiva para separar quem é quem. Com todas as divergências entre as correntes ideológicas nacionais, a maioria total está com a Nova Rússia. 

4 – Quais são as relações entre o Kremlin e a liderança da Nova Rússia?

É difícil responder porque o Kremlin está representado no caso da Nova Rússia em suma por três instâncias: Putin, que é pragmático, que está no equilíbrio entre a facção patriótica e a sexta-coluna. No caso de Criméia ele foi totalmente a nosso favor. No caso da Nova Rússia muito menos. Seu apoio não é como deveria ser. É um apoio muito menor. Mas, finalmente, Putin está entre dois pólos. 

O pólo da sexta-coluna. A sexta-coluna se diferencia da quinta-coluna, porque a quinta-coluna na Rússia está totalmente contra Putin, ela é ultraliberal. A sexta-coluna está a favor de Putin, mas do Putin liberal. Essa diferença é muito importante para compreender as análises do Donbass.

A sexta-coluna apoiava ela mesma a retomada da Criméia, mas se voltou contra a Nova Rússia. Também é importante que a sexta-coluna era favorável à Criméia apenas pelo fato de Putin estar completamente decidido e ter sido rápido. Mas no caso da Nova Rússia a sexta-coluna é completamente contrária. Essa divergência foi imediatamente percebida no início do movimento pela Nova Rússia. As mesmas pessoas que eram favoráveis à Criméia se provaram contra a Nova Rússia. 

Os patriotas eram totalmente pró-Criméia e pró-Nova Rússia. Essa era uma separação muito peculiar ao redor de Putin. Porque a metade era favorável à Nova Rússia e a outra metade, muito importante e com representantes muito elevados no Kremlin, era contra. Passo a passo foi formada uma frente comum composta pelas pessoas que lutam pela Nova Rússia por Strelkov, intelectuais como nós eurasianos, todas as forças patrióticas e também os funcionários do Kremlin, de Putin, que são favoráveis à Nova Rússia. Isso não existia antes. Foi algo totalmente novo. 

A luta continua ao redor desse problema, porque a Nova Rússia hoje é a linha da demarcação entre dois grupos do establishment político russo. A maioria do povo está ao nosso lado. Mas a maioria da elite russa está ao lado da sexta-coluna. Putin está entre a maioria da elite, que é liberal, e a minoria da elite, que é patriótica. E ambos estavam anteriormente a favor da Criméia. Essa situação também foi a razão da minha expulsão da Universidade de Moscou, da revogação de Strelkov e muitos outros fenômenos pouco percebidos em um espaço de tempo extremamente curto se deram por essa luta interior na Rússia, porque Putin está por cima de tudo isso. A sexta-coluna é maioria na elite, em relação ao grupo de patriotas da elite, a elite que é a favor da Nova Rússia. A luta não terminou, ela continua, hoje estamos nesse contexto. É possível seguir essa luta através acontecimentos da Nova Rússia, como através de uma tela, ela é o aspecto externo, o aspecto evidente dessa luta política interna na Rússia. 

5 – Qual é o papel do sionismo internacional em Kiev e de que forma é possível traçar uma comparação entre as lutas da Nova Rússia e do povo palestino?

O caso é que há uma aliança paradoxal entre os chefes judeus sionistas, como o presidente da Ucrânia, Petr Poroshenko, que é um oligarca judeu, ou Kolomoysky, que é o judeu mais ativo na luta contra a Nova Rússia, além de muitos outros que são dirigentes da Ucrânia com as forças nazistas do Pravyi Sektor e outros ultranacionalistas ucranianos. 

Isso é paradoxal porque vemos ali uma aliança entre os liberais, os neonazistas e os judeus sionistas. É muito estranho porque normalmente essas três forças seriam totalmente inimigas e opostas. No caso da Ucrânia vemos uma união e integração total dessas três forças: os neonazistas racistas pró-Stepan Bandera, os judeus sionistas e os liberais ocidentalistas, e tudo isso por ódio à Rússia, ódio aos russos, ódio a Putin, ódio ao Império Russo, ódio ao mundo multipolar. Isso é o que é comum entre forças tão diferentes. 

É interessante que o fato de que Kolomoysky e os outros dirigentes, Poroshenko, Yatsenyuk, Turchynov, eram judeus era acentuado nos maiores meios de comunicação russos que também são dirigidos por judeus, é muito curioso, eles próprios acentuavam que os judeus estavam no governo antirrusso e neonazista da Ucrânia. 

Mas é preciso dizer que Putin não é necessariamente anti-sionista, não é anti-Israel. A linha direita da ideologia russa não tira consequências desse fato, mas as pessoas da massa tiram todas as consequências possíveis disso. É importante notar que a maioria dos judeus liberais também estão a favor da Ucrânia ao redor do mundo e na Rússia. A quinta-coluna é composta praticamente 100% por judeus. Já a sexta-coluna, a oposição indireta, também é composta por judeus, mas também por muitos oligarcas russos que estão aliados aos oligarcas liberais judeus. 

Mas a situação entre Israel e Ucrânia é inversa, porque os palestinos representam a minoria que quer fazer seu próprio país e na Ucrânia não. A situação é que os separatistas são russos que representam a Grande Rússia, os palestinos representam uma minoria, há essa diferença na situação. 

Não sei, particularmente, a posição oficial do sionismo frente a Nova Rússia. Teoricamente eles devem ser contra, mas é interessante que alguns representantes de Israel falaram a favor da Nova Rússia. É interessante, por exemplo, que o ex-chefe do “Nativ”, que é um serviço secreto israelense, Yaakov Kedmi se pronunciou a favor da Nova Rússia. Inclusive supostamente alguns grupos voluntários de Israel teriam sido enviados para combater o Pravyi Sektor. Isso não possui confirmação. Mas na internet há uma propaganda de que Israel está fora do conflito, e alguns judeus sionistas estariam a favor da Nova Rússia, como Avigdor Eskin. Mas é importante que não é unívoca essa atitude dos sionistas a favor dos sionistas ucranianos. 

Pode ser que não seja possível, estando no contexto da verdade, afirmar que essa é a guerra dos sionistas contra a Nova Rússia, isso não é exato. Mas a presença dos sionistas no governo ucraniano é um fato, não é propaganda.

6 – Atualmente como você acredita que Putin pode se defender da sexta-coluna e qual é a probabilidade de um Maidan ocorrer na Praça Vermelha?

O objetivo da sexta-coluna é acabar com Putin, porque Putin sendo pragmático e sendo equilibrado, já que não é um patriota como Strelkov e outros, mesmo assim é bastante patriota para defender os interesses nacionais russos. Ele é um realista político, não necessariamente implicado no eurasianismo, mas ele é um realista. Porém ser um realista hoje é incompatível com a sexta-coluna, não por razões ideológicas, mas por razões pragmáticas. 

Assim, a sexta-coluna deve matar Putin, deve destruí-lo de uma maneira ou de outra. Ou matando violentamente, ou organizando um Maidan em Moscou. A idéia era, acredito que este era o plano dos EUA, convidar os nacionalistas russos à Nova Rússia e depois dar a Nova Rússia à Ucrânia. Isso criaria imediatamente um grande movimento da posição patriótica contra Putin. 

Segundo, Igor Strelkov deveria ser o centro dessa manipulação. Mas muitos outros deveriam também estar no lado da oposição a Putin, já que a oposição liberal é totalmente impopular. Na Rússia muitos poucos apoiam os liberais e com eles não é possível fazer uma revolução. Para fazer uma revolução, como no caso da Ucrânia e seu Maidan, é necessário ter a coluna patriótica na oposição, como o Pravyi Sektor. Sem isso não há a energia necessária, já que os liberais são covardes e impopulares, além de serem minoritários étnicos. É impossível para eles fazerem uma revolução. Mas para acabar com Putin é preciso mobilizar massas. Os patriotas decepcionados, desiludidos, traídos, teoricamente deveriam ser o núcleo ativo da luta contra Putin. Sem mobilização do setor patriótico não é possível derrubar Putin. 

Mas para fazer isso, é preciso trair a Nova Rússia. Traindo a Nova Rússia é possível unir as forças necessárias para lutar contra Putin. Mas essa é a idéia da sexta-coluna, a situação não está acabada ainda. Pode ser que isso ocorra mesmo, mas com Strelkov hoje a situação é muito mais clara, porque hoje ele está na Rússia, hoje começa a criar um movimento patriótico a favor de Putin e da Nova Rússia.

Anteontem, Strelkov proclamou a criação de um movimento para lutar acima de tudo contra a sexta-coluna, dentro da Rússia, porque tudo hoje se decide na Rússia. É muito importante que o personagem mais popular depois de Putin organize um movimento patriótico a favor de Putin e contra o Maidan na Rússia. Essa é a destruição dos planos dos EUA. 

É difícil matar tecnicamente Putin, mas matar Strelkov é mais fácil. Essa é a explicação para ele não retornar à Nova Rússia. Na situação da guerra, seria fácil ele ser assassinado por agentes da sexta-coluna. Um eurasiano, Aleksandr Proselkov, foi assassinado com um tiro nas costas enquanto dirigia um carro em um comboio humanitário, por exemplo. 

Assim, o objetivo da sexta-coluna pode ser resumido como forçar Putin a abandonar a Nova Rússia para gerar um ressentimento contra o próprio Putin e usar esse ressentimento para derrubá-lo, e então abandonar a Criméia e tudo mais. Porém, é impossível governar a Rússia com liberais, assim o que acontecerá inevitavelmente é a desintegração da Rússia e uma guerra civil. Esse não é um projeto positivo, de construção, dos liberais futuramente no poder, é absolutamente um projeto para a destruição da Rússia e nada mais.

7 – Após a guerra com a vitória da Nova Rússia existe a possibilidade de que ela se torne o primeiro foco da construção prática da Quarta Teoria Política no mundo?

É uma boa questão. Isso é o que esperamos. Porque vejamos, o primeiro passo dos dirigentes da República do Donbass foi a aniquilação da grande propriedade privada, a nacionalização dos bens dos oligarcas, e há muitas outras idéias interessantes. A ortodoxia foi proposta como religião oficial, os matrimônios homossexuais seriam proibidos e não apenas isso como se propôs que as relações homossexuais fossem criminalizadas. Muitas idéias antiliberais, antiglobalistas podem se realizar na Nova Rússia. 

Por exemplo, também, a bandeira imperial, branca, negra e amarela, hoje é uma das bandeiras oficiais na Nova Rússia. Muitas idéias da Quarta Teoria Política podem ser esperadas, mas isso também pode ser um tipo de “gatilho” para a própria Rússia. Porque a Rússia atualmente, que ideologia possui? A Rússia rechaça o liberalismo, isso é totalmente evidente, ela não é mais comunista, ela não é da terceira via ou totalmente nacionalista. Esse vazio deve ser preenchido por uma ideologia. E apenas a Quarta Teoria Política pode ser essa ideologia antiliberal, nem comunista e nem fascista. Isso é logicamente inevitável. 

Mas isso é evidente somente para nós, não para os outros. Na lógica de Hegel se diz que há um truque da razão do mundo que age inconscientemente através das pessoas. A Quarta Teoria Política vai ser realizada independentemente das pessoas. As pessoas podem não saber ou não querer, mas ela é logicamente inevitável para preencher o vazio ideológico. Se a Rússia tiver que ter uma ideologia, essa ideologia inevitavelmente será a da Quarta Teoria Política. Pode ser que após certo tempo ainda não tenhamos nenhuma ideologia, como hoje, é possível, mas se teremos uma ideologia essa será a Quarta Teoria Política. 

Na Nova Rússia tudo isso se decide pela guerra e hoje os processos políticos na Nova Rússia estão mais avançados do que na Rússia. A Nova Rússia é a vanguarda. A vitória da Nova Rússia significará a vitória da Quarta Teoria Política, será a vitória da Grande Rússia e do mundo multipolar. Podemos ver vínculos entre os acontecimentos na Nova Rússia, os acontecimentos políticos e ideológicos na Rússia, os acontecimentos na Eurásia, que é o centro do mundo multipolar, e os acontecimentos no BRICS. 

Também essa idéia de que a luta da Nova Rússia é a luta de cada pessoa no mundo, a luta religiosa, a luta para escolher o bem ou o mal, essa luta escatológica propriamente dita.   A vontade de se unir às fileiras do exército da Nova Rússia é a vontade de servir a própria pátria, não é uma luta pelos interesses dos russos. A Nova Rússia é muito mais que a Rússia, ela é o mundo multipolar, é a resistência contra a Nova Ordem Mundial, a resistência contra a unipolaridade, a resistência contra a hegemonia americana, que vai não apenas contra ucranianos, russos, sírios, iraquianos e outros, mas também contra os latino-americanos, muçulmanos, asiáticos, africanos, etc. É interessante, por exemplo, que há até um nacional-bolchevique negro que está lá lutando pela Nova Rússia. 

8 - Algumas pessoas tendem a definir o senhor, o eurasianismo e a Quarta Teoria Política a partir das suas atividades dos anos 90, acusando o senhor de ecletismo, de tentar fundir bolchevismo e nacional-socialismo, o que o senhor tem a dizer sobre isso? 

O meu itinerário ideológico é fácil de compreender. Eu era anticomunista, tradicionalista, no sentido de Guénon e Evola. Era anticomunista e antiliberal. Pode-se dizer que eu era vizinho da terceira teoria política nos anos 80, no período do comunismo. 

Depois do fim do comunismo, quando o comunismo não estava mais presente concretamente na Rússia, havia uma equação a ser solucionada, aceitar o liberalismo, o que era impossível por eu ser antiliberal e anticomunista, continuar a lutar contra o comunismo, que naquele tempo não existia mais, seria uma luta contra um morto, uma luta absurda ou então lutar contra o liberalismo como forma da modernidade absoluta. 

Com que forças lutar contra o liberalismo? Nos anos 90 eu pensava que era preciso lutar contra o liberalismo com todas as forças antiliberais, todas sem exceção. Com a terceira teoria política, com a segunda teoria política, essa era a idéia do nacional-comunismo, unir todas as forças antiliberais para lutar efetivamente contra o liberalismo.

Na fase seguinte foi se tornando claro aos poucos que essa estratégia não é tão correta porque o comunismo e o nacional-socialismo eram ideologias da modernidade, e sendo ideologias da modernidade tem dentro de si mesmas raízes antitradicionais e anti-sagradas, o comunismo de forma mais evidente, o fascismo com o chauvinismo, o eurocentrismo e o universalismo branco anglo-saxão e colonialista. 

Para além da síntese de duas ideologias antiliberais descobri a Quarta Teoria Política que deve estar totalmente fora das três teorias políticas. Nem liberalismo evidentemente, nem comunismo, nem fascismo e nem comunismo e fascismo juntos. Porque entre comunismo e fascismo há uma zona antiliberal de contato muito interessante onde está o fascismo de esquerda, o nacional-bolchevismo de Niekisch, o socialismo identitário, o nacional-bolchevismo comunista soviético de Stálin, etc.

Essa minha passagem ideológica foi totalmente séria, não foi uma forma de dar outra vida ao nacional-bolchevismo, que em si mesmo não era nem bolchevismo nem fascismo, era algo novo, era uma síntese. Porque já nos anos 90 eu era contra o racismo nacionalista, contra o chauvinismo fascista e contra o multiculturalismo comunista, eu era um Tradicionalista como hoje e como antes. Um Tradicionalista que tentou encontrar os meios adequados para lutar contra o mundo do Anticristo, o mundo da Kali Yuga, o mundo da decadência política total que é a modernidade. 

A Quarta Teoria Política é o resultado de um desenvolvimento pessoal sincero. Cada passo que tomava explicava de forma aberta. Eu era contra o comunismo e o liberalismo e pela revolução conservadora nos anos 80, a favor do nacional-bolchevismo nos anos 90 e tudo isso explicitamente. E a partir do novo milênio sou eurasiano e adepto da Quarta Teoria Política, me distanciando de todas as formas da modernidade, comunismo e fascismo incluídos. 

E isso não é possível de ser aceito pelos liberais, porque os liberais pensam que todos que não são liberais são ou fascistas ou comunistas. Não podem imaginar a possibilidade de alguém ser antiliberal, nem fascista e nem comunista. Para eles, como para Olavo de Carvalho, se alguém não é liberal, ou é fascista ou comunista disfarçado. Os liberais são totalitários, chamo isso de terceiro totalitarismo. Esse modo totalitário se manifesta nessa atitude frente a Quarta Teoria Política. Os liberais dizem “não pode ser Quarta Teoria Política, só pode ser terceira ou segunda, stalinismo ou hitlerismo disfarçado”. 

Mas digo abertamente que sou antiliberal, anticomunista e antifascista ao mesmo tempo. Não é possível dizer que um homem é fascista se ele é antifascista, uma pessoa não pode ser comunista se ela é anticomunista. Explico porque sou antiliberal, porque sou anticomunista e porque sou antifascista abertamente nos muitos escritos, com muitas páginas, milhares de páginas que tenho escritas, qual é a lógica disso e que valores defendo. 

Somente a ausência de sinceridade da parte dos liberais ou ausência de conhecimento correto, ou o pagamento pelos EUA, pela CIA, os pode levar a lançar calúnias contra mim. 

Os comunistas conscientes devem ser antiliberais, hoje os fascistas também. Eles devem escolher uma posição muito importante. O que é mais importante para o comunismo na pós-modernidade? Estar contra o liberalismo, que não permite a possibilidade de existência de um comunismo antiliberal, ou estar contra o fascismo, que não representa ameaça, que é perseguido, marginalizado. É muito fácil lutar contra o fascismo. Essa é a aliança entre comunistas e liberais, representada no trotskismo atual e no neoconservadorismo americano, que são trotskistas tornados capitalistas ultraliberais. Para os comunistas a Quarta Teoria Política é uma forma de fascismo pelo fato de não ser nem comunista, nem liberal, e isso já é fascismo. Para os comunistas sinceros o mais importante na Quarta Teoria Política deveria ser a luta contra o liberalismo. Ela deve ser logicamente alguma coisa vizinha, no mínimo uma companheira de percurso para o comunismo. Porque o mais importante para o comunismo deve ser a luta contra o capitalismo liberal. E a Quarta Teoria Política é completamente antiliberal. 

O comunista sincero deve escolher entre Quarta Teoria Política e liberalismo. Ele pode não estar de acordo com ela, mas lutar contra a Quarta Teoria Política e não lutar contra o liberalismo não é nada além de liberal-comunismo, é ser um liberal de esquerda, é traição do comunismo antiliberal, que é não ver nem no fascismo nem na QTP este elemento antiliberal. 

Os fascistas também podem escolher, devem escolher, estar contra os comunistas com os liberais, com os comunistas e contra os liberais, que é o nacional-bolchevismo, ou superar essas posições, compreender a análise da Quarta Teoria Política e fazer a transição entre terceira teoria política e Quarta Teoria Política. Se pode ser um fascista consequente lutando contra o liberalismo com os comunistas sinceros ou com a Quarta Teoria Política que é teoricamente muito mais coerente. 

Para finalizar é muito importante que a mesma lógica descobri nos textos de Martin Heidegger. Ele era um representante da terceira teoria política que criticava o liberalismo, era um nacional-socialista antiliberal, que criticava o conceito de sujeito individual como antifilosófico. O sujeito não pode ser individual, o liberalismo parte do ponto de que o sujeito é individual, o que é um absurdo para Heidegger. A crítica do sujeito moderno é muito importante para a Quarta Teoria Política. Depois ele criticava o comunismo como forma de Machenschaft, palavra alemã que quer dizer “mecanicismo”, característica do comunismo, que acaba na metafísica alienada do Ocidente. 

A crítica de Heidegger é muito importante e também mais interessante é a crítica interior de Heidegger ao nacional-socialismo, nos textos dos anos de 30 e 40, por razões totalmente idênticas às da Quarta Teoria Política. Penso que Martin Heidegger politicamente pode ser concebido como o primeiro representante, como a medida da ortodoxia da Quarta Teoria Política. Acho que Heidegger contém de forma implícita todos os princípios da Quarta Teoria Política e pode ser considerado como pai fundador da Quarta Teoria Política.        

Nenhum comentário:

Postar um comentário