quarta-feira, 18 de julho de 2012

Manifesto da Aliança Revolucionária Global

por Aleksandr Dugin



(Programa, Princípios, Estragégia)


Insatisfeitos de todo o mundo, uni-vos!

Parte 1 - Situação do fim

1. Vivemos no final de um ciclo histórico. Todos os processos que constituem o sentido da história chegaram a um impasse lógico.

O fim do capitalismo: O desenvolvimento do capitalismo chegou ao seu limite natural. Há somente uma coisa deixada para o sistema econômico mundial – entrar em colapso no abismo. Baseado em um aumento progressivo das instituições puramente financeiras, bancos em primeiro lugar e, em seguida, estruturas de ações mais complexas e sofisticadas, o sistema do capitalismo moderno, completamente divorciado da realidade, a partir do equilíbrio da oferta e da procura, a partir de relação de produção e consumo, a partir da conexão com uma vida real. Toda a riqueza do mundo está nas mãos da oligarquia financeira mundial através das manipulações complicadas com a construção de pirâmides financeiras. Essa oligarquia desvalorizou não somente o trabalho, mas também o capital ligado ao mercado fundamental, garantiu uma renda financeira e todas as outras forças econômicas entraram em cativeiro para essa elite ultraliberal impessoal e transnacional.
 
Independentemente de como nos sentimos sobre o capitalismo, é claro agora que não está apenas passando por uma crise, mas está à beira de um colapso total do sistema inteiro. Não importa o quanto a oligarquia mundial tenta esconder o colapso em curso das massas da população mundial, mais e mais pessoas começam a suspeitar que isso é inevitável e que a crise financeira global causada pelo colapso do mercado hipotecário estadunidense e dos principais bancos é apenas o início de uma catástrofe global. Essa catástrofe pode ser atrasada, mas não pode ser prevenida ou evitada. A economia mundial, na forma em que opera agora, está condenada. 
 
O fim dos recursos: Na atual situação demográfica, levando em conta o crescimento constante da população mundial (especialmente dos países do terceiro mundo), a humanidade está perto de esgotar os recursos naturais, necessários não apenas para manter os níveis atuais de consumo, mas para a simples sobrevivência em nível mínimo. Os limites do crescimento são alcançados e a fome global, privação, epidemias e morte estão na agenda. Esse planeta não pode mais manter a vida de tal número de pessoas. Assim, nos deparamos com a catástrofe iminente demográfica. Quanto mais nascem hoje, mais terão que ser exterminados amanhã. Esse dilema não tem solução. Mas fingir que isso não existe é preparar o pior cenário de massacre mundial por recursos e de extermínio de grande parte da humanidade pelas próprias mãos. 
 
O fim da sociedade: Sob a influência do padrão ocidental e americano, a fragmentação das sociedades em unidades atômicas, não ligadas entre si por quaisquer laços está em pleno andamento. O cosmopolitismo e o novo nomadismo tornam-se estilos de vida mais comuns, especialmente para a geração mais jovem. Isso provoca fluxos migratórios sem precedentes, que destroem as sociedades, cujos membros são retirados do cenário, bem como aquelas onde os migrantes se enquadram. Laços culturais, nacionais, sociais e religiosas se quebram, os códigos tornam-se quebradiços, contatos orgânicos colapsam. Vivemos em um mundo de multidões solitárias, sociedades de pulverização catódica que já não são algo sólido. Solidão cosmopolita se torna a norma e destroem a identidade cultural do povo do interior. No lugar das sociedades vem nomadismo e a teia, que dissolve os coletivos históricos orgânicos. Ao mesmo tempo, desaparecem a cultura, língua, costumes, tradição, valores e a família.
 
O fim do indivíduo: A divisão do indivíduo em seus componentes se torna a tendência dominante. A personalidade humana se espalha através da rede, apelidos e impulsos distintos, transformando-se em um conjunto de jogos de elementos desorganizados. Então o indivíduo perde a sua integridade e a ele é dada mais liberdade, mas à custa de alguém que pode tirar proveito delas. A cultura Pós-Moderna compulsivamente move as pessoas para mundos virtuais de telas planas, tira-nos da realidade, captura pelo fluxo de alucinações sutilmente organizadas e habilmente manipuladas. E esses processos são gerenciados pela oligarquia mundial, que procura fazer as massas do mundo controláveis e programáveis. Nunca antes o individualismo foi tão glorificado e nunca antes pessoas do mundo todo foram tão semelhantes entre si no comportamento, hábitos, aparência, técnicas e gostos. Na busca pelos direitos humanos, o humano foi perdido em algum lugar. Logo que ele vai ser substituído por um pós-humano: um mutante, um produto de clonagem, um biorobot, um replicante, um cyborg. 
 
O fim das nações e dos povos: O Mundo Global consistente destrói qualquer identidade nacional, uma após a outra, destrói os estados soberanos, cada vez mais interfere nos assuntos internos de outros países. A oligarquia global pretende derrubar todas as barreiras nacionais, impedindo a sua presença onipresente. As corporações transnacionais tentam colocar seus interesses acima dos interesses nacionais e administrações estaduais, o que leva a uma dependência de sistemas externos e perda de independência. Desta forma, em vez da diversidade de Estados Independentes, forma-se a estrutura de um governo mundial com base na oligarquia financeira mundial. Os países ocidentais e os monopólios tornam-se o núcleo desse governo mundial, no qual gradualmente integra a elite econômica e política, em parte, de outros países não ocidentais. Assim, partes das elites nacionais tornam-se cúmplices da globalização e traem os interesses dos seus cidadãos - povos e Estados. 
 
O fim do conhecimento: A Mídia Global criou um sistema de desinformação total, organizado de acordo com os interesses da oligarquia global. Só que o que é relatado pela mídia global é considerado a "realidade". E que, como um ou outro evento ou fenômeno é relatado, está sendo automaticamente aceito pela comunidade global como uma "verdade auto-evidente" (Sabedoria Convencional). Visões alternativas, embora possam se espalhar nos segmentos da rede de sistemas de comunicação interativa, permanecem na periferia porque o apoio financeiro é fornecido apenas para aqueles elementos que servem os interesses da oligarquia global. Quando opiniões críticas atingem o limiar e tornam-se perigosas, estão sendo usados os instrumentos clássicos de repressão - pressão financeira, eufemismo, demonização, assédio legal e físico. Em tal sociedade, todo o sistema de conhecimento se torna um objeto de uma moderação global pela elite global. 
 
O fim do progresso: Nos últimos séculos, a humanidade tem vivido pela fé no progresso e na esperança de um futuro melhor. Uma promessa disso foi vista no desenvolvimento da técnica, nas acumulações do conhecimento e descobertas científicas, no crescimento do humanismo e da justiça social. O progresso parecia estar garantido e auto-evidente. No século XXI, essa crença é compartilhada apenas por um ingênuo ou por aqueles que deliberadamente fecham os olhos para a realidade (por certo suborno ou privilégios). A crença no progresso é refutada por todo o curso das coisas. Nosso mundo não está ficando melhor, mas, pelo contrário, está sendo rapidamente degradado ou, pelo menos, continua a ser tão cruel, cínico e desleal como antes. A descoberta desse fato leva ao colapso da cosmovisão humanista. O padrão duplo do mundo ocidental, sob slogans cativantes sobre direitos humanos e liberdade, nos quais hoje apenas cegos não veem a vontade egoísta de colonizar e controlar, torna-se vulgaridade. O progresso não é apenas não garantido, mas improvável. Se as coisas continuarem a se desenvolver como se desenvolvem hoje, prognósticos mais pessimistas, catastróficos e apocalípticos tornar-se-ão reais. 
 
 2. Em geral, estamos lidando com o fim de um grande ciclo histórico, no qual os parâmetros básicos estão esgotados, perturbados e as expectativas associadas a ele iludidas e riscadas. O fim do mundo não vem, ele se desdobra diante de nossos olhos e nós somos os seus observadores e participantes. Será que é o fim da civilização moderna ou o fim da humanidade? Ninguém pode prever. Mas a dimensão da catástrofe é tamanha que não podemos excluir o fato de que o agonizante mundo ocidental-centrado global vai levar consigo para o abismo todos os outros. A situação se torna ainda mais dramática pelo fato de que no âmbito da situação atual e a existente organização do poder global mundial da oligarquia transnacional, todos os processos catastróficos não podem continuar (o limite é atingido), nem parar (a força de inércia é muito alta), nem mudar o curso (a taxa das principais tendências não permite fazer uma manobra brusca para mudar de trajetória). 
 
3. A situação atual é intolerável, não só como é, mas para onde vai por si só. Hoje - uma catástrofe, amanhã - a morte garantida. O futuro foi roubado da Humanidade Mas o homem difere dos animais por ter um horizonte histórico. E mesmo se num dado momento não sente todas as exigências da situação, seu conhecimento do passado e previsão do futuro construído reproduziu nele perspectivas otimistas ou sinistras. Vendo onde estávamos ontem e para onde estamos indo agora, não podemos subestimar esse caminho como do mal, da ameaça, do desafio e ataque. Somente aqueles que são privados do pensamento histórico, tornando-se consumidores cada vez mais entretidos pelo fluxo agressivo da propaganda e desinformação, os quais são cortados da educação e das traduções dos códigos culturais podem ignorar o horror da situação real. Apenas o mecanismo bruto ou de consumo, biorobot, não pode reconhecer que vivemos no campo de uma catástrofe global. 
 
 4. Aqueles que salvaram pelo menos um grão de intelecto independente e livre não podem ajudar, mas pergunto: qual é a razão da situação existente? Quais são as origens e os gatilhos do desastre? Está claro agora que eles deveriam olhar para o entusiasmo excessivo da civilização ocidental no desenvolvimento técnico, individualismo, na busca da liberdade a qualquer custo, no materialismo, egoísmo, no culto ao dinheiro e a toda ideologia liberal capitalista burguesa, bem como na crença racista das sociedades Ocidentais de que esse curso é o universal, o melhor e obrigatório para o resto do mundo. Se no início essa paixão deu resultados positivos, dinâmicas engendradas, abriu possibilidades de humanismo, ampliou a zona de liberdade, melhorou a situação das pessoas, abriu novas perspectivas a elas, então, depois de ter atingido seu limite as mesmas tendências começaram a produzir resultados opostos: a técnica passou de um instrumento para um princípio autossuficiente (a perspectiva da revolta das máquinas); o individualismo foi levado ao extremo, privou-nos de sua natureza, a liberdade perdeu seu sentido, a idolatria da matéria levou a degradação espiritual, o egoísmo destruiu a sociedade, o poder absoluto do dinheiro forçado a sair não somente do trabalho, mas também do espírito empreendedor do capitalismo; a ideologia liberal destruiu qualquer forma de solidariedade social, cultural ou religiosa. E se nos países Ocidentais, que cresceram a partir da lógica de seus desenvolvimentos históricos e depois em outras partes do mundo, os mesmos princípios foram impostos pela força, pelas práticas coloniais e imperialistas, sem levar em conta as especificidades das culturas locais. O Ocidente, tendo embarcado nesse caminho na era moderna, não só trouxe para si mesmo um final lamentável, mas causou também danos irreparáveis para todas as outras nações da terra. Tornou-se global e universal, portanto ninguém pode simplesmente evitar ou isolar-se disso. Isso só pode ser alterado ao arrancar todo o espectro de fenômenos catastróficos. E, apesar do fato de que em sociedades não ocidentais, a situação é um pouco diferente, simplesmente ignorar o desafio do Ocidente não pode mudar nada. As raízes do mal são muito profundas. Elas devem ser claramente entendidas, compreendidas, identificadas e colocadas no centro das atenções. É impossível lutar contra as consequências sem entender as razões. 
 
5. Há razões para a situação desastrosa atual e também há aqueles que estão interessados nela, aqueles que querem que ela dure, quem obtém o benefício, o lucro, quem lucra com isso, aqueles que são responsáveis por isso – os quais apóiam, fortalecem, protegem e guardam essa situação, bem como a impedem de mudar o seu curso de consecução e desenvolvimento. Essa é uma oligarquia mundial global, a qual inclui estratégia política, financeira, econômica, o núcleo estratégico-militar da elite mundial (principalmente ocidental) e uma ampla rede de intelectuais servindo-a, executivos, magnatas da mídia, formando um séquito fiel de globalistas oligárquicos. Tomados em conjunto, a oligarquia global e seus assistentes são a classe dominante do globalismo. Isso inclui os líderes políticos dos Estados Unidos, alguns dos maiores países da OTAN, magnatas econômicos e financeiros, agentes da globalização que os servem, que compõem a gigantesca rede planetária, na qual os recursos são alocados para aqueles que são leais ao principal curso dos processos globais, bem como os fluxos de manipulação da informação, lobby político, cultural, intelectual e ideológico, a coleta de dados, a infiltração nas estruturas dos Estados nacionais, ainda não totalmente privados de soberania, bem como a corrupção pura e simples, suborno, influência, as campanhas de perseguição de indesejados, etc. Essa rede globalista consiste em vários andares, incluindo as missões políticas e diplomáticas, bem como as empresas multinacionais e sua gestão, rede de mídia, o comércio global e estruturas industriais de consumo, organizações não governamentais e fundos e etc. A catástrofe na qual estamos e a qual chega ao seu auge tem uma natureza artificial feita pelo homem - há forças que estão interessadas em tudo para serem exatamente como isso é e nada mais. Esses são os arquitetos e gerentes do egocêntrico mundo hipercapitalista global. Eles são responsáveis por tudo. A oligarquia global e sua rede de agentes é a raiz do mal. O mal é personificado na classe política mundial. O mundo é como é porque alguém quer que seja assim e se esforça muito para isso. Essa vontade é a quintessência do mal histórico. Mas se isso é verdade e alguém é responsável pela situação atual, então a oposição e a discordância com o status quo obtêm seu destinatário. A oligarquia mundial é colocada numa posição de inimigo de toda a humanidade. E é o inimigo. E mais, a própria presença do inimigo dá uma chance de derrotá-lo, o que significa uma chance para a salvação e superação da catástrofe.

Parte 2 - A imagem do mundo normal

1. É nos dito (através da hipnose e propaganda) que "não pode ser" de outra forma (do que é agora). Ou que qualquer alternativa seria "ainda pior". Essa melodia familiar diz que "a democracia tem muitos defeitos, mas todos os outros regimes políticos são muito piores, é melhor tolerar o que já está". Isso é mentira e propaganda política. O mundo em que vivemos, é inaceitável, intolerável, levando-nos à morte inevitável e encontrar uma alternativa para isso é uma condição de sobrevivência. Se não derrubarmos o status quo, não mudarmos o curso do desenvolvimento da civilização, não privarmos do poder, não destruirmos a oligarquia mundial como um sistema e como forças específicas, grupos, instituições, corporações e até mesmo indivíduos, nós vamos nos tornar não apenas vítimas, mas também cúmplices do fim iminente. As alegações de que "tudo não é tão ruim”, "antes era pior”, "de alguma forma tudo vai ficar melhor”, etc, é uma forma deliberada de sugestão, hipnose, destinada a acalmar os resquícios de consciência livre, independente e análises sóbrias. A oligarquia global não pode permitir que os vassalos da elite global ousem pensar de forma independente, sem referência aos seus secretos e sorrateiros padrões impostos. Essa elite não age diretamente, como nos regimes totalitários do passado, mas sutilmente, insidiosamente, produzindo seus dogmas por certo e até mesmo como uma livre escolha de cada pessoa. Mas a dignidade humana consiste na capacidade de escolher e escolher especificamente entre dizer "sim" ou "não" à situação atual. 
 
Nada e nunca sob qualquer circunstância "não" pode provocar automaticamente um "sim" humano. "Não" pode ser dito para tudo, a qualquer hora e sob quaisquer circunstâncias. Negando esse direito, a elite global nos nega ter dignidade humana. Isso significa que se opõe não só a humanidade, mas também a natureza humana. E isso nos dá o direito de revolta contra ela, de radicalmente dizer "não" a ela e todo o estado das coisas, para refutar a sua sugestão, para acordar de sua hipnose, para aprovar outro mundo, de outra forma, uma ordem diferente, sistema diferente, presente e futuro diferente. O mundo que nos rodeia é inaceitável. É ruim sob todos os pontos de vista. É injusto, desastroso, indigno de confiança, mentiroso, não é livre. Deve ser invadido e destruído. Precisamos de um mundo diferente. E não vai ser pior, como a oligarquia global e seus servos fiéis assustam-nos, mas vai ser melhor e salvador.

2. O que é, nesse caso, o mundo correto, a desejada ordem mundial? Qual é a plataforma padrão a partir da qual se estima o existente como uma patologia? A imagem do mundo normal de diferentes forças, pari passu discordante com a situação atual pode ser muito diferente. E se você se aprofundar nos detalhes dos projetos alternativos, as controvérsias inevitavelmente surgirão no campo dos apoiantes das alternativas globais, a unidade será abalada, a sua vontade de resistir será paralisada, a concorrência de projetos irá prejudicar a consolidação de forças, a qual é necessária para resistir. Assim, um mundo normal, um mundo melhor, deve ser discutido com o maior cuidado. No entanto, existem alguns princípios absolutamente evidentes e pontos de referência, os quais dificilmente podem ser questionados por ninguém na mente certa. Vamos tentar encontrá-los. 
 
 I - Um modelo econômico é necessário, uma alternativa ao existente sistema atual do capitalismo financeiro especulativo. A alternativa pode ser vista como no capitalismo industrial real, na economia islâmica, no socialismo, também em projetos ambientais, como os ligados ao setor de produção real, também em busca completamente de novos mecanismos econômicos, incluindo novas formas de energia, organização do trabalho, etc. A economia normal não será essa que existe hoje. 
 
II - Em poucos recursos o problema da distribuição deve ser resolvido na base comum a todos os planos da humanidade, não com base na luta egoísta para controlá-los. As Guerras pelos Recursos - militares ou apenas econômicas - têm de ser drasticamente suprimidas. A humanidade está ameaçada de morte e em face dessa situação, temos que mudar para uma atitude diferente, para a questão democrática e de recursos. Nesse jogo não vai haver vencedores. Todo mundo vai perder. Em um mundo normal, essa ameaça deveria ser respondida por todos os povos do mundo juntos, não individualmente.

III - O normal e o melhor estado da existência humana não é a fragmentação e degradação em indivíduos atômicos, mas a preservação de estruturas sociais coletivas, mantendo a transmissão da cultura, conhecimento, línguas, práticas, crenças. O homem é um ser social e é por isso que o individualismo liberal é destrutivo e criminal. Nós temos que salvar a sociedade humana a qualquer custo. A partir disso conclui-se que a orientação social deve prevalecer sobre o liberal individualista.
 
IV - Em uma sociedade que estava tomando lugar deve-se manter a sua dignidade de espécies, sua identidade, sua essência, sua integridade, bem como as estruturas, sem isso sua personalidade não pode se desenvolver e corrigir - família, trabalho, instituições públicas, o direito de participar de seu próprio destino, etc. A tendências que levam à dispersão das pessoas e da sua substituição por outros tipos humanos universais devem ser interrompidas e afastadas. O homem é algo que deve ser mantido e até mesmo recriado. 
 
V - A sociedade normal é aquela onde os povos, nações e estados são mantidos como formas tradicionais de comunidade humana, como as formas criadas, criados pela história e tradição. Eles podem mudar ou transformar, mas eles não devem ser abolidos ou mesclados forçadamente em um único caldeirão global. A diversidade de povos e nações é um tesouro histórico da humanidade. Abolindo isso, iremos para a abolição da história, para o fim do casamento plural, liberdade e riqueza cultural. Os processos de globalização devem ser imediatamente cortados. 
 
VI - A sociedade normal é baseada na possibilidade de obter conhecimento, da transferência de conhecimentos, em abrir habilidades para a osmose do mundo, a existência, o ser humano com base na tradição, experiência, descobertas e busca livre. A esfera de conhecimento não deve ser um campo de concurso virtual, de hipnose da mídia de massa ou um espaço para a manipulação da consciência em uma escala global. Mídias de massa suplentes e estratégias virtuais que substituem a realidade devem ser redesignadas para a autorreflexão sóbria baseada em fontes abertas, intuição, criatividade e experiência. Para isso, é necessário esmagar a ditadura atual da mídia, para quebrar o monopólio das elites globais para controlar a consciência de massa. 
 
VII - A sociedade normal deve ter um horizonte positivo para o futuro na frente de si. Mas, ao mesmo tempo, para atingir o objetivo pretendido, é necessário abandonar a ilusão de que as coisas em si estão a desenvolvendo bem ou, pelo contrário, a suposição de que a catástrofe é inevitável. O ponto da história humana é que este é aberto e inclui um componente de vontade humana e da capacidade para programar a sua liberdade. Isso faz as futuras zonas de possibilidades: não será em si melhor nem pior, uma vez que pode ser criado pelas pessoas como tal e outros. Tudo depende do que escolhemos e o que fazemos. Se rejeitarmos a escolha e a força de vontade de construção, o futuro pode não chegar a todos. Ou não seria humano. 
 
3. A sociedade normal deve ser diversificada e plural, policêntrica. Deve conter muitas possibilidades, muitas culturas. O normal é livre, não diálogo forçado. Cada sociedade pode escolher por si mesmo o equilíbrio entre os componentes espirituais e materiais. No entanto, como mostra a história, a dominação acentuada do materialismo, invariavelmente, leva ao desastre. Esquecer-se da dimensão espiritual do indivíduo é fatal e funesto para ele. A atual guinada forte para o materialismo exagerado deve ser compensada por uma curva acentuada para o princípio espiritual. E absolutamente inaceitável é a dominação total do dinheiro sobre todos os outros valores. Os valores podem ser de qualquer tipo, mas em qualquer sociedade normal eles não devem ser colocados em um nível mais elevado. Neste sentido, toda a sociedade onde o papel do dinheiro não é tão grande como no nosso, por definição, é mais normal, justa e aceitável do que aquela em que vivemos hoje. Quem pensa o contrário ou é doente, ou é um agente de influência da oligarquia global. Justiça e harmonia são mais importantes do que o sucesso pessoal e a ganância. A ganância e o desejo de bem-estar individual são considerados um pecado pela maioria das culturas humanas ou pelo menos uma fraqueza. E a justiça, a preocupação com o bem comum, é um dos valores mais comuns. Uma sociedade justa é mais normal do que essa, que é baseada no egoísmo. A ordem do mundo normal é essa, a qual reconhece o equilíbrio de poder, o direito das sociedades e culturas diferentes para o seu próprio caminho. Isto é, essa é a norma. E essa norma, mesmo na forma mais geral e aproximada, radicalmente contrasta com aquilo o que temos ao nosso redor. Status quo não é normal, isso é patologia. Uma vez que a hipnose da oligarquia global é esmagada, todas as coisas retornam ao foco.
 
4. Em uma sociedade normal, não podemos fazer sem energia de um modo geral. Em uma ou outra forma foi é e será. Também está presente na sociedade global que existe hoje. Esse poder pertence a uma oligarquia global que disfarça sob o pretexto da "democracia" e "cumplicidade", "dispersão dos centros de decisão". A oligarquia mundial continua sendo o poder em todos os sentidos, mas não direto e sim indireto, age não por coerção direta, mas com o controle sutil. É menos grosseira do que outras formas de poder, mas é mais insidiosa, enganadora e mentirosa e não menos brutal e totalitária. Ocasionalmente, ela toma a forma de um anarquismo paradoxal totalitário, dando total liberdade para as massas, mas apenas mantendo o controle total sobre o conteúdo dessa liberdade e seus parâmetros. Você pode fazer tudo, mas apenas de acordo com as regras estabelecidas. A regra é ditada pela oligarquia global. Em uma sociedade normal, o poder deveria pertencer não à elite anônima política e financeira, que constantemente leva a humanidade à sua morte, mas deveria pertencer aos melhores - aos mais fortes, mais inteligentes, mais espirituais e justos, aos heróis e aos sábios, e não a uma rede de globais funcionários corruptos, mentirosos e usurpadores. O poder sempre envolve a projeção de múltiplas vontades para uma única instância. A formação dessa instância deve proceder de acordo com as tradições históricas, sociais, culturais, e às vezes religiosas, de cada sociedade em particular. Não existe nenhuma fórmula geral de potência ótima. A democracia funciona em uma sociedade e é um fiasco em outra. A monarquia ocorre para ser harmoniosa e pode renascer em tirania. A gestão coletiva fornece resultados positivos e negativos. Não há receitas universais, adequadas para todos. Mas qualquer poder (e até mesmo a falta dele) é melhor do que o que existe hoje e o que tomou controle sobre a humanidade global. 
 
 5. A norma vem de uma história particular de uma determinada sociedade humana. E não deve ser diferente. A norma, a amostra, o ideal, as sociedades de direito e os povos adquirem através de muitos sofrimentos, provações, erros, avaliações, experiências, eles eclodem essa regra ao longo dos séculos. E é por isso que cada sociedade tem o direito inalienável à sua própria norma. Para os seus próprios valores. Ninguém à parte tem o direito de criticar essa norma com base na sua própria sociedade histórica, distinta das demais. Se os povos e as nações não se desenvolvem da mesma maneira, como seus vizinhos fazem, isso não significa simplesmente que não podem fazê-lo, mas que na íntegra não querem, que eles estimam o tempo histórico e a escala de sucessos e fracassos de acordo com outros critérios. E isso deve ser declarado de uma vez por todas e quaisquer preconceitos coloniais e racistas devem ser categoricamente recusados: se alguma sociedade não é semelhante a nossa, não significa que é pior, mais atrasada ou primitiva, é apenas diferente, e sua alteridade - é a sua natureza, que devemos admitir. Só tal abordagem é normal. O globalismo,o centrismo ocidental e o universalismo são a profunda patologia da necessidade de erradicação. Especialmente, é patológico ou mesmo criminal, se os padrões universais são definidos pela ilegítima, auto-proclamada elite global, que tem usurpado o poder planetário. Existem muitas normas, assim como existem muitas sociedades, isto é, essa é a norma universal, a ausência de um padrão uniforme para todos, liberdade e direito de escolha.

Parte 3. Revolução imperativa

1. Contra a ordem existente, percebida como um mal intolerável, como a patologia e a situação, a qual conduzirá inevitavelmente à catástrofe e à morte da humanidade, é necessário propor uma alternativa ideal, o padrão, esse projeto, o qual não existe agora, mas que deverá existir. Mas a oligarquia mundial não vai desistir de seu próprio poder sob quaisquer circunstâncias. Seria ingênuo pensar o contrário. Assim, a tarefa é deslocá-lo de suas mãos, para arrancar o poder, para tomá-lo através da força. Isso pode ser feito somente sob uma condição: se todas as forças, insatisfeitas com a situação atual agirão em conjunto. Esse princípio da ação conjunta é um fenômeno único da história recente, que se tornou global. A oligarquia global define sua posição dominante a nível planetário. Sua natureza global não é uma qualidade secundária, mas reflete a sua essência. Essa oligarquia mundial ataca todos os povos, nações, estados, culturas, religiões e sociedades. Não algum tipo, não alguns regimes, não quaisquer determinados objetos de ataque selecionados. 
 
Essa elite vem frontalmente e totalmente, buscando transformar todas as áreas da Terra para a zona do seu controle. Mas nessas áreas existem sociedades diferentes, culturas diferentes, povos diferentes, religiões diferentes. E ainda assim elas não perderam totalmente a sua originalidade. A globalização traz a morte para todas elas, que ainda podem compreender ou sentir isso intuitivamente. Mas na situação atual, nenhum país, por si só, tem força suficiente para oferecer resistência eficaz a uma oligarquia global. E mesmo se você combinar os esforços de uma ou outra cultura, ou uma ou outra comunidade regional, que vão além das fronteiras de um único país, todas as mesmas forças não são iguais. Somente se toda a humanidade se tornar consciente da necessidade de oposição radical ao globalismo, teremos a chance de fazer da nossa luta eficaz e trazer resultados gratificantes. A ação conjunta não nos obriga a estar lutando pelos mesmos ideais ou a ser solidários com essas normas, as quais irão substituir a atual catástrofe e patologia. Esses ideais podem ser diferentes, e até, em certa medida, conflituosas, mas todos nós devemos perceber que se não formos capazes de estrangular a oligarquia global, todos esses projetos (sejam eles quais forem) continuarão sem se realizar e morrerão em vão. 
 
E se encontrarmos inteligência suficiente, vontade, sobriedade e coragem em nós mesmos para agir em conjunto contra a oligarquia mundial no âmbito da Aliança Global Revolucionária, teremos uma chance e uma oportunidade aberta não só para lutar em igualdade, mas também para ganhar. As diferenças entre nossas sociedades e seus normativos só importarão depois de derrubarmos a oligarquia global. Até o momento, contradições de projetos só jogarão nas mãos da oligarquia mundial, agindo no antigo princípio de todos os impérios - o "dividir e conquistar". A revolução global tem dois aspectos: a unidade do que está para ser destruído, e a multiplicidade do que está para ser aprovado. 
 
2. A revolução do século XXI não pode ser um remake simples das revoluções dos séculos XIX e XX. As revoluções anteriores, às vezes corretamente avaliadas nas falhas dos três regimes, contra os quais foram direcionadas. Mas o panorama histórico não permitiu perceber as raízes mais versáteis e profundas do mal. Aos ataques contra as características verdadeiramente patológicas de configuração sociopolítica e injusta, o poder alienado usurpado misturou elementos históricos e sociológicos menores e incidentais que não merecem tal árdua rejeição. As revoluções anteriores, muitas vezes espirraram a criança com água, atingindo o mal, afetou alguma coisa, o que no contrário, merecia a restauração e preservação. Pura maldade nas fases anteriores estava escondida, camuflada, e às vezes essas revoluções em si trouxeram algo do espírito, dessas orientações e as tendências, que levaram hoje para a tirania financeira, midiática e global da oligarquia. Além disso, as revoluções anteriores na maioria das vezes procederam sem as condições locais, e mesmo lá, onde elas alegaram serem globais, essa escala não estava possuída. Somente hoje existem condições propícias para uma revolução se tornar realmente global. 
 
Desde que o sistema, contra o qual é direcionado, já é global na prática (não apenas no projeto). Outra característica das revoluções anteriores era que apresentavam claras alternativas de modelos sócio-políticos, que na maioria das vezes fingiam ser universais. Se agora repetirmos esse caminho, inevitavelmente repeliremos da revolução aqueles que vêem outra forma padrão(através do prisma de sua sociedade, sua história, sua cultura) e que querem um futuro diferente para si mesmos, do que outros revolucionários contra a oligarquia global. Daí, a revolução do século XXI deve ser verdadeiramente planetária e plural em seus objetivos finais. Todas as nações da terra devem se revoltar contra a ordem mundial existente conjunta e solidariamente, mas em nome de ideais diferentes e para aprovar normativas diferentes na realidade. Para ter futuro, é preciso concebê-lo como um buquê complexo de oportunidades, realização do que está sendo impedido pelo atual sistema mundial e da oligarquia global. Se não esmagarmos a oligarquia global todos juntos em nome de finalidades e horizontes diferentes, não teremos nem um buquê, nem qualquer outro futuro, nem mais de outros futuros. 
 
Que cada sociedade lute para o seu próprio projeto de futuro. A revolução do século XXI só será bem sucedida se no seu âmbito todas as nações lutarem contra o inimigo comum, em nome de objetivos diferentes. 
 
 3. Esses espetáculos que vemos hoje nas chamadas "revoluções coloridas" não têm nada de revolucionário genuíno em si mesmo. Eles são organizados pela oligarquia mundial, são preparados e apoiados por suas redes. As "revoluções coloridas" são quase sempre dirigidas contra as sociedades ou os regimes políticos, que ativa ou passivamente resistem à oligarquia global, desafiam seus interesses, que tentam manter certa independência de sua política, estratégia, assuntos regionais e economia. Assim, as "revoluções coloridas" ocorrem de forma seletiva, baseando-se em redes de comunicação de massa desenvolvidas pela elite globalista. Tratam-se de uma paródia da revolução, e servem apenas fins contra-revolucionários. 
 
4. A nova revolução deverá ser orientada para a derrubada radical da oligarquia mundial, para destruir a elite mundial, para destruir toda a ordem das coisas associadas a ela, ou melhor, controlar a desordem das coisas. Destruindo o nervo do mal, vamos liberar a história dos povos e das sociedades do vampiro parasita – a oligarquia mundial. Só isso pode abrir a perspectiva de construção de um futuro alternativo. Por definição própria a revolução deve ser global. A oligarquia global está agora dispersa por todo o mundo. Ela está presente não só sob a forma de estrutura hierárquica com um centro claramente definido, o núcleo, mas sob a forma de uma rede dispersa em um campo, dispensada em todo o mundo. O centro de tomada de decisões não é necessariamente no mesmo lugar onde os centros visíveis de gestão política e estratégica do Ocidente se encontram - ou seja, nos EUA e outros centros do mundo Ocidental. A especificidade da elite global é que a sua localização é móvel e fluida, e o centro de decisão é móvel e disperso. Assim, é extremamente difícil de atacar o núcleo da oligarquia global, focando na sua forte fixação territorial. Para vencer essa rede má, é necessário arrancar simultaneamente a sua presença de diferentes partes da terra. Além disso, é necessário se infiltrar na própria rede, para semear pânico, acidente, pôr vírus e processos destrutivos. A destruição radial da oligarquia global exige das forças revolucionárias dominar os procedimentos de rede e estudar os protocolos de rede do globalismo em si. A humanidade deve lutar contra o inimigo em seu território, porque hoje toda a área tornou-se uma zona, de uma maneira ou outra controlada pelo inimigo. A luta pela destruição da elite global, portanto, deve ser não apenas comum, mas também sincronizada em diferentes partes do mundo, embora assimétrica. Além disso, a revolução no presente caso envolve uma estratégia de guerrilha no território ocupado pelo inimigo. Particularmente, isso significa que a batalha deve ser implantada no espaço cibernético também. A revolução cibernética e a prática da luta radical no espaço virtual deve ser parte integrante da revolução do século XXI. 
 
 5. De todas as ideologias dos tempos da modernidade até os tempos atuais, apenas uma sobreviveu, consubstanciada no liberalismo ou no capitalismo liberal. É exatamente essa, onde a visão de mundo e a matriz ideológica da oligarquia mundial tem se concentrado. Essa oligarquia global é aberta ou veladamente liberal. O liberalismo tem uma função dupla: por um lado, serve como um cartão filosófico para reforçar, preservar e expandir o poder da oligarquia global, isto é, atua como uma guia para o seu curso político global, e por outro lado, permite recrutar voluntários e colaboradores dessa elite por uma grande aderência, e sua comitiva, em qualquer lugar do mundo; aceitando o liberalismo, personalidades diferentes - os políticos, burocratas, industrialistas, comerciantes, intelectuais, comunidade científica, a juventude, em qualquer país geram automaticamente o ambiente no qual a equipe para o globalismo está sendo recrutada, através do qual as redes são definidas, a informação é recolhida, os centros de influência são organizados, transações e soluções para o benefício das corporações transnacionais são pressionadas, outras operações estratégicas para o estabelecimento da dominação global da oligarquia mundial são conduzidas. Por isso, o principal impacto da revolução deve ser sobre os liberais em todas as suas expressões - como representantes da direção ideológica, política, econômica, filosófica, cultural, estratégica e tecnológica. Os liberais são a concha, na qual a oligarquia mundial está oculta. 
 
Qualquer ataque contra o liberalismo e os liberais, tem uma grande chance de afetar as partes sensíveis da oligarquia mundial, seus órgãos vitais. A luta total contra o liberalismo e os liberais é o principal vetor ideológico da revolução global. A revolução deve ser de caráter rigidamente antiliberal, porque o liberalismo é exatamente um nó concentrado do mal. Qualquer outra ideologia política pode ser considerada como uma alternativa possível, e não há restrições. A única exceção é o liberalismo, que deve ser destruído, esmagado, tombado, obsoleto.

Parte 4. A Queda do Ocidente: os Estados Unidos como um país do mal absoluto

1. As origens da situação atual jazem profundamente na história do Ocidente e nos processos sócio-políticos, que estão ocorrendo nessa parte do mundo. A história da Europa Ocidental levou suas sociedades ao ponto, em que gradualmente o individualismo, o racionalismo e o materialismo reducionista começaram a dominar, e na sua base o capitalismo formado e a burguesia tornaram-se triunfantes. A ideologia do liberalismo tornou-se uma expressão máxima do sistema burguês. Exatamente essa linha ideológica, filosófica, política e econômica levou à situação atual. Nos tempos de modernidade, a Europa foi o berço da civilização liberal materialista, a qual impôs isso aos outros povos da terra através da sua política colonial imperialista. Com isso as formas mais abomináveis de coerção foram utilizadas: por exemplo, no século XVI os europeus recriaram a instituição da escravidão, que deixou de existir há milhares de anos sob a influência da ética cristã. Os europeus voltaram-se para essa prática repugnante no momento em que o Ocidente começou a desenvolver a teoria do humanismo, o livre pensamento e a democracia. A escravidão, portanto, foi uma inovação do capitalismo e da ordem burguesa. O sistema burguês foi instalado em colônias europeias, em algumas delas ele teve uma expressão mais consistente e viva, trazendo o conjunto democrático burguês a um final lógico. 
 
Os Estados Unidos da América, um estado colonial baseado na escravidão, no individualismo, no egoísmo, na dominação de dinheiro e de bens tangíveis, tornou-se um coronal dessa civilização burguesa ocidental da era moderna. Gradualmente, as ex-colônias europeias tornaram-se centros independentes de poder e no meio do século XX tornaram-se o centro da civilização ocidental inteira, o pólo do sistema capitalista mundial. Após o fim da União Soviética, os EUA ficaram sem seu bloco de equilíbrio socialista, tornando-se um centro do sistema burguês global. Isso é exatamente a elite americana mais estreitamente fundida com a oligarquia global, praticamente identificada com ela. E, embora a oligarquia global seja maior do que a classe política americana, ela também inclui a oligarquia europeia, e parcialmente as elites burguesas ocidentalizados de outras partes do mundo, nomeadamente os Estados Unidos se tornou a espinha dorsal da ordem mundial global moderna. O poder militar americano é um fator estratégico importante na política global, o sistema econômico americano é um modelo para o resto do sistema mundial, o sistema dos meios de comunicação americano realmente coincide com uma rede global, os clichês culturais americanos são imitados em todo o mundo, a tecnologia americana está à frente de todos os outros desenvolvimentos tecnológicos. Em tal situação, a população dos EUA desempenha o papel de reféns passivos, que são controlados pela elite global, usando as ferramentas da nação norte-americana para implementar seus objetivos globais. Os Estados Unidos são um golem gigante, controlado pela oligarquia. Nos Estados Unidos encarna o espírito de tal ordem das coisas, o que impõe uma catástrofe iminente em si, a qual é uma expressão do mal, da injustiça, exploração opressiva, alienação e do imperialismo colonial. 
 
 2. Os Estados Unidos e suas políticas em todo o mundo são um grande flagelo e um fator importante na defesa e reforço da ordem das coisas existente. Todas as tendências catastróficas do nosso tempo vêm de lá. A economia americana é baseada no domínio do setor financeiro, que substituiu completamente o mérito da produção, o capitalismo industrial clássico, para não mencionar a agricultura. a. A grande maioria dos cidadãos norte-americanos está empregada no setor de serviços terciário, ou seja, eles não produzem nada de concreto. O parasitismo financeiro dos EUA "se aplica a todo o planeta, porque o dólar impresso sem qualquer limitação por parte do Sistema de Reserva Federal, é uma moeda de reserva em um modelo de mundo global. A economia mundial está centrada nos EUA e trabalha para os EUA independentemente se essa economia é eficaz ou não. b. Com isso os Estados Unidos consome o maior percentual das reservas mundiais de recursos per capita, contaminando o ambiente com resíduos venenosos e bilhões de toneladas de detritos. Os Estados Unidos esgotam os recursos do resto do mundo e estabelecem (através do controle estratégico-militar, diplomático e econômico ao longo dos fornecedores) um preço para ele, do qual os Estados Unidos lucram. Exatamente esse modelo de hegemonia mundial dos EUA cria um grande desequilíbrio na economia mundial, a injustiça e a exploração, aproximando-se do inevitável colapso de recursos. Com isso, na distribuição dos recursos naturais os EUA são guiados apenas por seus interesses nacionais, o que gera pré-requisitos para desastres iminentes. c. A sociedade americana tem ido mais longe do que qualquer outra sociedade ocidental no caminho da atomização, individualização e ruptura dos laços sociais. Construída por imigrantes de diferentes países, a sociedade americana inaugurou o nascimento da identidade individual. 
 
Divorciado de uma coletividade específica, de suas raízes, o modelo Europeu Ocidental foi autorizado a ser realizado no território das Américas em condições puramente laboratoriais. A sociedade americana não apenas desintegra gradualmente os indivíduos, mas ela foi originalmente composta por eles. É por isso que aqui o individualismo alcançou seu limiar lógico, e a sociabilidade (incluindo o socialismo) teve uma extensão mínima em comparação com todos os outros países ocidentais (para não mencionar o leste). d. Isso é exatamente os EUA, onde o processo de individuação atingiu os seus limites extremos e saiu na direção de experimentos para estabelecer os seres pós-humanos. 
 
Os sucessos dos cientistas norte-americanos no domínio da engenharia de clonagem, genética e experiências com híbridos em desenvolvimento permitem sugerir que um dia vamos testemunhar o fenômeno do aparecimento de pós-seres humanos. e. A sociedade americana foi baseada principalmente na mistura de culturas, nações e grupos étnicos, sobre o princípio do "melting pot". A ausência de laços étnicos orgânicos era sua especialidade. Espalhando a sua influência para todo o resto do mundo, os EUA também estão promovendo esse princípio cosmopolita, tornando isso uma norma universal. Além disso, os EUA atuam como a principal força, privando um país após o outro de seu direito de soberania nacional e intrometendo-se nos territórios alheios sempre que é conveniente aos seus interesses. Tais como foram as invasões das forças armadas dos EUA e outros países da NATO, seguindo a linha da política dos EUA na Sérvia, Afeganistão, Iraque, Líbia, etc São exatamente os EUA que desempenham um papel importante na promoção do cosmopolitismo e da dessoberanização das nações e Estados. f. A mídia mundial, em cuja consciência está a criação da absolutamente falsa imagem virtual do mundo, estabelecida no interesse da oligarquia global, é em sua maioria americana e representa uma continuação da mídia dos EUA. Agindo nos interesses da elite mundial global, ela baseia seus sistemas na rede de informação dos EUA. Na sociedade norte-americana as massas da população são extremamente ignorantes e têm falta de cultura, combinada com a ingenuidade e confiando inteiramente nas noções falsas e fabricadas, que são distribuídas pela indústria do entretenimento, mídia e outros meios. Esse estereótipo da ignorância, a representação dos desenhos animados do mundo, sociedade, história, etc., em combinação com certas habilidades e competências tecnológicas, os Estados Unidos se espalham para as sociedades que ficam na zona de sua influência. 
 
Nomeadamente, o sistema Americano do conhecimento, focado exclusivamente nos interesses pragmáticos e materiais, com base na exploração dos intelectuais, quase inteiramente composta por imigrantes de outros países, representa a culminação da distorção da esfera do conhecimento em prol da propaganda, pecuniária e benefícios utilitaristas. g. Os americanos têm uma ideia concreta do progresso, acreditam no crescimento ilimitado de seu sistema econômico, estão confiantes sobre o futuro, o qual no seu ponto de vista deve ser "americano". A maioria deles acredita sinceramente que uma expansão do "estilo de vida americano" para toda a humanidade é a bênção real, e ficam perplexos quando se deparam com a rejeição e uma reação totalmente diferente, negativa (especialmente quando a propagação desse estilo de vida é acompanhada por uma invasão militar e extermínio em massa da população local, pelo desenraizamento violento dos costumes tradicionais e religiosos e outros deleites da ocupação direta). Aquilo que os americanos chamam de "progresso", a "democratização", "desenvolvimento" e "civilização" é de fato uma degradação, colonização, degeneração, degenerescência e uma forma paradoxal peculiar da ditadura liberal. Não é exagero dizer que os Estados Unidos como um bastião do liberalismo militante, é uma encarnação visível de todo o mal que assola a humanidade hoje, é um mecanismo poderoso que constantemente leva a humanidade à catástrofe final. Esse é o império do mal absoluto. E os reféns e vítimas do curso desastroso desse império não são apenas todas as outras nações, mas também os americanos comuns, não diferentes do resto das conquistadas, espoliadas, privadas e perseguidas nações de abate. 
 
 3. É significativo que os símbolos nacionais norte-americanos são um conjunto de detalhes sinistros. A estátua da Liberdade reproduz a deusa grega do inferno - Hecate, e sua tocha, a qual as pessoas acendem à noite, alude que esse é um país da noite. O sinal do dólar copia os pilares de Hércules, os quais, de acordo com os gregos antigos, delimitavam onde terminava a zona habitável do Mediterrâneo, e para além deles jazia o mundo do inferno oceânico - a área de titãs, demônios, e aquela que afundou por causa do seu orgulho, do seu materialismo e a sua corrupção, Atlântida; mas em vez da inscrição "nec plus ultra" ("Nada mais além"), que foi feita em égide, ligando as colunas, os americanos colocaram a inscrição “plus ultra” ("mais além"), quebrando, assim, uma proibição simbólica e moral que justifica a construção de sua civilização infernal. A pirâmide maçônica nos braços dos Estados Unidos não tem topo, o que significa uma sociedade sem uma hierarquia vertical, cortada de sua origem celestial. Não menos ameaçadores são os outros símbolos. Esses são detalhes, e eles podem ser tratados de forma diferente, mas sabendo do grande papel na cultura humana que eles jogam, não devemos negligenciar tais caracteres significativos. 
 
 4 Os EUA lideram outras sociedades para a ruína. E também perecem. Ao mesmo tempo, a escala dos processos catastróficos é tal, que seria ingênuo esperar que alguém nesta situação fosse capaz de se esquivar sozinho do poder destrutivo do ídolo incidente. A questão não é simplesmente "empurrar o incidente", mas para empurrá-lo para tal lugar que seja seguro para nós. De modo que não nos esmague. A Torre de Babel americana está destinada a entrar em colapso, mas é muito provável que, sob seus escombros todos os outros países serão enterrados. Os EUA se tornaram um fenômeno global há muito tempo, e não um país separado. Portanto, a luta com os Estados Unidos não pode ser de um personagem dessas guerras históricas, que foram levadas a cabo por uns Estados contra os outros (ou coalizões de Estados). 
 
 A América é um fenômeno planetário, global, e, portanto, a luta efetiva contra ela só é possível se isso tiver lugar simultaneamente em todo o mundo, incluindo o território dos próprios EUA, onde, como em outros lugares, estão presentes forças não-conformistas revolucionárias, que categoricamente discordam do curso dos Estados Unidos, do mundo capitalista e do Ocidente global. Essas forças revolucionárias dentro dos EUA podem ser dos mais diversos grupos - ambos direitistas e esquerdistas, pessoas de diferentes orientações religiosas e étnicas. E eles devem ser considerados como um segmento importante da frente planetária revolucionária. Até certo ponto, hoje todos nós estamos no império americano - direta ou indiretamente, e ainda desconhecidos, se é mais fácil e seguro para lutar contra ele na periferia, em países ainda não formalmente colocados sob o controle direto dos EUA. A suíte da oligarquia mundial, a qual está quase sempre ao mesmo tempo com os agentes de influência norte-americana, liberais ocultos ou diretos, está alerta para as manifestações de inconformismo em todas as regiões do mundo. E com a proliferação dos meios de controle e da capacidade de armazenamento, o processamento de informação e uma transmissão de total sombreamento depois de qualquer elemento suspeito em qualquer lugar do mundo já é um problema fácil de resolver, e amanhã vai ser uma ocorrência de rotina. É importante entender que vivemos em uma América global, e nesse contexto, aqueles que se opõem aos Estados Unidos e a hegemonia norte-americana, bem como a oligarquia mundial do exterior, não diferem muito daqueles que são contra o mesmo inimigo de dentro. Estamos todos rigorosamente na mesma situação.

Parte 5. Prática de Guerra

1. A oligarquia global usa conflitos convenientes, divide e incita seus inimigos uns contra os outros. Ela participa de guerras agressivas, as provoca e continuará a agir assim no futuro. A questão não é: lutar ou não lutar, nós seremos forçados a lutar em qualquer caso. Hoje é mais importante o como lutar e com quem? A guerra é uma parte inevitável da história humana. Todas as tentativas de evadi-la na prática levaram apenas a mais guerras, cada vez mais violentas que as anteriores. Assim, o realismo nos compele a tratar a guerra de modo equânime e imparcial. A humanidade fez guerras, as faz agora e as fará até seu fim. 
 
A maioria das profecias religiosas sobre o futuro o descreve em termos de “batalha final”. Assim, a guerra deve ser entendida como um ambiente sócio-cultural da existência humana. Isso é inevitável e isso deve ser tomado como dado. As guerras rasgarão a humanidade, mas a cada vez nós temos que aprender a analisar corretamente as forças envolvidas na guerra. Essa análise muda qualitativamente sob as circunstâncias atuais. As guerras mais antigas foram travadas entre grupos étnicos, ou entre religiões, ou entre impérios, ou entre Estados nacionais, e no século XX entre blocos ideológicos. Hoje um novo tipo de guerra emergiu, no qual o protagonista é sempre uma oligarquia global, implementando seus planos, ou com o uso direto das forças americanas e das tropas da OTAN, ou organizando conflitos locais de tal maneira que seu cenário seja consistente com os interesses dessa elite indiretamente. 
 
Em alguns casos, conflitos, guerras e distúrbios são provocados por participação de muitos grupos, nenhum que represente os interesses da oligarquia global diretamente; então estamos lidando com uma situação de caos controlado, manipulação com a qual procedem estrategistas americanos desde a década de 80. Em outros casos, a oligarquia global apoia simultaneamente partidos antagônicos, manipulando-os ao seu favor. A correta análise da guerra moderna então é reduzida à definição do algoritmo do comportamento e escolha de objetivos e estratégia táticos da oligarquia global e do Estado americano em cada caso particular. Esse tipo de análise requer um novo método, baseado numa consciência revolucionária e global. Participando da guerra ou a observando, devemos sempre tentar compreender sua estrutura oculta e sua verdadeira natureza, no que concerne o âmago do programa de conflitos do governo mundial e da elite planetária. A saber, este elemento é o causador de praticamente todas as guerras de hoje, com cuja ajuda a oligarquia global mantém e fortifica sua dominância, tentando adiar seu fim. 
 
2. Uma Frente Anti-Americana em condições de uma nova guerra deve primeiramente ser o centro da correta análise das forças antagônicas, e dos interesses da oligarquia global, ocultos por trás destes, e em segundo lugar, deve possuir desenvolvidas habilidades de reorientação em ações militares contra o real culpado de qualquer conflito moderno – contra a oligarquia global mesma, o ambiente liberal, a influência da rede de agentes americanos e outros cúmplices. Hoje não há mais agressores e vítimas, interesses nacionais ou competição de forças acumuladas, que explicavam guerras do passado. Guerras do século XXI são personagens de episódios de uma única guerra civil global, insurgências e operações de retaliação simétricas pelo governo mundial. A Frente Anti-Americana por sua mera existência deve servir de mecanismo de reorientação para qualquer conflito relâmpago no verdadeiro propósito e seus reais culpados – os EUA, o globalismo e suas estruturas. 
 
 3. As novas condições requerem que melhoremos as capacidades de luta clássicas, como também comandando novos territórios de guerra – incluindo redes cibernéticas, virtuais. Dominar essas áreas é a mais importante questão para a Frente Anti-americana, pois redes virtuais permitem um efetivo uso de formas assimétricas de operações militares. Se o poder militar no sentido de formas tradicionais de armas faz dos recursos da hierarquia global e seus instrumentos, EUA e OTAN, incomparavelmente e muitas vezes superiores ào poder total dos adversários potenciais, e se nessa área do confronto frontal dificilmente haveria alguma chance de vencer, então a área das guerras virtuais, ciberestratégias e outros fatores são decisivos. 
 
Não menos importantes são os papeis desempenhados pela criatividade, formas de pensamento não convencionais, inventividade, e habilidade de agir fora da caixa. No ciberespaço, em certos estágios as forças da oligarquia global e da contra-elite revolucionária podem ser equiparadas ao menos temporariamente: em estruturas de uma área uma vez aberta, zona ou tecnologia, especialmente a principio, criatividade de sujeitos isolados, é comparável com as maiores construções orçamentárias de corporações transnacionais. Algo tal como um site pessoal ou um blog elegante de um solitário talentoso pode atrair público e ter um impacto comparável às fontes governamentais de informação de um país ou mídia de grande escala fundada por recursos de globalistas. Tendo capitalizado estratégias de rede, fica fácil travar uma excelente e dinâmica ciberguerra com a oligarquia global – incluindo vírus, trollagem revolucionária, flaming, floodagem, spamming, uso de bots, e estratégias virtuais e sockpuppets. A respeito disso, a Frente Anti-Americana da contra-elite global precisa tanto de treinadores militares e veteranos de conflitos à maneira antiga, quanto de tropas de hackers, programadores, administradores de sistemas e figuras singulares de uma resistência global virtual. A realidade inteira é agora um campo de guerra – localizada tanto em off-line quanto em zonas virtuais relacionadas. 
 
Devemos estar preparados para guiar toda uma guerra global, estendendo as operações de zona de combate a todos os atuais níveis – do comportamento comum, estilo de vida, moda, trabalho e lazer para ideologia, fluxo de informações, tecnologia, redes e mundos virtuais. Devemos procurar infligir o dano máximo na oligarquia global e nos interesses dos Estados Unidos e OTAN a todos os níveis possíveis – pessoal, militar, econômico, cultural, informativo, redes, ciberespaço, etc. O inimigo deve ser atacado tanto abertamente quanto furtivamente. Em qualquer lugar onde arde a resistência ao globalismo, à expansão americana e à dominação da oligarquia global, deve se concentrar esforços globais de uma Frente Anti-Americana planetária, dando suporte aos rebeldes, manutenção de informações, assistência militar, conduzindo todo tipo de ação munida a infligir dano máximo na oligarquia global – moral, físico, informativo, imagem, ideológico, material, econômico, etc. 
 
4. Uma contra-elite revolucionária mundial deve atuar por qualquer meio, dependendo da situação. Sob circunstâncias militares por meios militares, sob as pacíficas – como se der. Deve ficar claro: estamos lidando com um sistema de ilegítimo terror liberal, sistema político criado por uma junta canibal de maníacos internacionais, que desregradamente aumentam sua influência mundial, liderando a humanidade à morte. Se aceitarmos suas regras, estamos garantidos à escravidão, humilhação, degradação, dissolução e a morte vindoura. A atual situação não é somente uma condição temporária, oprimida por detalhes desagradáveis e custos vexatórios; é uma diagnose fatal: a perpetuação das atuais tendências não é compatível com vida. Em tal situação, para nós não há qualquer lei, obstáculo, atitude moral e código de conduta. Neste assunto falemos apenas após a destruição desse obsceno bando global de oligarcas e seus mercenários internacionais. Então, na luta contra o sistema qualquer meio é justificado pelo fim. 
 
Devemos compreender claramente que o poder da oligarquia não pode ser considerado uma lei, e seus parâmetros de autoridade de poder que cooperam com isso são colaboradores ilegítimos. A única lei é a luta revolucionária global para uma mudança radical no curso da história humana. Só essa guerra é legítima, justa e moral. Só estas regras e estes propósitos são justificáveis e válidos de respeito. Qualquer um que não se envolve na guerra pelo lado da Revolução, com esse simples fato já ajuda a oligarquia global a manter e acentuar seu poder. A lei da sociedade global moderna é ilegalidade, todas as proporções invertidas. E ao contrário, a única regra legítima agora é revolta, resistência, luta contra o status quo, tentando classificar esse despotismo em termos reais. Enquanto o poder estiver nas mãos da oligarquia global, não teremos que contemplar quaisquer leis exceto as leis de guerra e revolução. 
 
Entretanto, a oligarquia global se governa baseando-se no novo, provocando conflitos e manipulando-os. Em tais circunstâncias, estamos lidando com ladrões ilegais e maníacos, matando quem é o dever de toda pessoa normal, consciente de sua dignidade espécies. A guerra é a nossa pátria, nosso elemento, o nosso ambiente natural, nativa na qual devemos aprender a existir de forma eficaz e vitoriosamente.

Parte 6. A Estrutura da Aliança Global Revolucionária

1. A pauta da nova revolução mundial deve ser a contra-elite mundial. Essa contra-elite destina-se a formar a Aliança Global Revolucionária (AGR) como cristalização dos esforços para atividades perturbadoras subversivas revolucionárias que mirem a demolição do atual sistema global e a queda do poder da oligarquia global e sua comitiva. Essa Aliança Global Revolucionária deve ser um novo tipo de organização, própria às condições do século XXI. Nenhum partido, movimento, ordem, loja, seita, comunidade religiosa, grupo étnico ou casta – como formas coletivas de eras anteriores – deve servir de modelo para sua estrutura. 
 
A Aliança Global Revolucionária deve ser uma estrutura em rede, sem um único centro de controle, ou um círculo fixo de membros permanentes, nem grupo dirigido, ou um estabelecimento permanente ou algoritmo definido de ação. A Aliança Global Revolucionária deve ser espontânea, organicamente inscrita no processo lógico global, nunca sendo planejada antecipadamente e nem vinculada a tempo e lugar. Só uma presença móvel dará efetividade e imunidade contra o sistema global opressor e seu policiamento. As atividades da Aliança devem se basear no entendimento de um grupo de princípios comuns, objetivos de luta, a identificar o inimigo, reconhecendo o status quo como catastrófico, intolerável e requerendo total destruição, como também entender as causas dessa situação, os estágios de seu desenvolvimento e processo instrumental, que fizeram isto possível e real. Todo aquele que entender isso é um membro da Aliança Global Revolucionária, todo aquele que não aceitar a atual situação e que está pronto para agir de acordo com este entendimento. É por isso que a Aliança Global Revolucionária deve ser policêntrica. Ela não deve ter um único território, nação, religião ou outro centro. 
 
A Aliança deve operar em todos os lugares, sem fronteiras, raças ou religiões, na base da própria convicção e espontaneamente abrir janelas para oportunidades. É exatamente a ausência de uma estratégia geral o eixo da estratégia revolucionária, e não estar fixada em um centro nervoso unificado hierárquico central – o modelo dominante dessa operação. 
 
 A Aliança Global Revolucionária deve estar em todo lugar e em lugar nenhum. Deve realizar suas ações rebeldes sempre e nunca em um tempo fixo. A Aliança Global Revolucionária deve aparecer ali mesmo, onde a oligarquia global menos espera. Nisso a Aliança Global Revolucionária deve ter uma atuação de vanguarda, para prática de Budismo Zen ou jogo vigoroso, para jogar a fundo o fim da humanidade. As regras desse jogo podem ser facilmente mudadas ao seu desenrolar; os jogadores podem mudar suas caras, identidades, história pessoal e outras características pessoais (incluindo residência e documentação). 
 
A Aliança Global Revolucionária deve provocar a falha no sistema, um curto-circuito no funcionamento da hierarquia global e seu sistema configurado. É impossível realizar isso de maneira bem planejada, preparada e modelada; a oligarquia global irá descobrir imediatamente e tomar medidas preventivas. É por isso que devemos agir com foco na completa imprevisibilidade - combinando ações heróicas pessoais com ações coletivas em todos os segmentos da realidade. 
 
 2. A Aliança Global Revolucionária deve ser deliberadamente assimétrica – que poderia potencialmente tomar parte em estados, forças sociais, partidos políticos, movimentos, grupos, até indivíduos isolados. Tudo o que se opõe realmente ou moderadamente, frontalmente ou tangencialmente ao poder da oligarquia global deve ser considerado como território da Aliança Global Revolucionária. Esta área pode ser condicional ou concreta, nacional ou cibernética, natural ou em rede.

Se qualquer país no mundo – grande ou pequeno – age contra a dominação global dos Estados Unidos, OTAN, o Ocidente global e o sistema financeiro liberal global, então esse estado deve ser considerado parte da Aliança Global Revolucionária e ser ajudado de toda maneira, independentemente se compartilhamos dos valores desse estado, se seus comandantes são atraentes ou repulsivos, se seu atual sistema é justo ou corrupto. Nada deve nos impedir de dar suporte a tal estado, como por toda parte no atual equilíbrio mundial da crítica de poderes, chantagem e demonização de tal estado não são nada além de propaganda difamatória das elites globais, desacreditando seus oponentes. A Aliança Global Revolucionária proíbe categoricamente seus apoiadores e participantes de qualquer crítica aos regimes anti-americanos e também a tais países, cujas políticas ao menos diferem significativamente da estratégia da elite global. Aqueles que sucumbirem ao truque do sistema mundial de desinformação total e acreditarem em insinuações feitas contra tais regimes anti-americanos, merecem uma censura. Não podemos excluir, que se trate de provocadores procurando dividir os escalões da contra-elite. A observação dessa regra ou sua violação pode ser uma causa provável para determinação da adequação ou inadequação dos que pretendem participar da Aliança Global Revolucionária.

O mesmo princípio é aplicável no caso de avaliar movimentos, partidos, religiões, organizações políticas e nacionais. Não importa o que eles estão reivindicando, se seus objetivos são bons ou ruins, se gostamos ou não de seus líderes, se seus valores são claros ou não, suas atitudes, motivos, objetivos. Importa outra coisa: se eles lutam contra os Estados Unidos e a oligarquia global, se eles destroem o sistema existente, ou pelo contrario, o mantém, o servem e dão assistência ao seu funcionamento. Se o primeiro, são automaticamente considerados elementos da Aliança Global Revolucionária; se o segundo – então caem dentro do campo do mal do mundo e satélites da oligarquia global; e nesse caso não devem esperar por misericórdia ou benevolência. Sobretudo critério de orientação sobre a discórdia deve ser distinguido aqui: ditos movimentos, partidos políticos, grupos religiosos ou outras associações, que se botam em confronto e competição com outros movimentos de mesmo nível acima do imperativo de oposição à oligarquia global, são cúmplices indiretos dessa oligarquia e são seus instrumentos inconscientes.

A oligarquia global incita maliciosamente um grupo contra outro para distrair ambos da luta contra ela mesma. Por isso apenas tais grupos (os enormes, como portadores de particular religião global, e os pequenos, como associações separadas de cidadãos em uma plataforma comum) devem ser escalados para a Aliança Global Revolucionária, que claramente sabem do fato que em qualquer confronto local e regional o principal inimigo está na maioria dos casos escondido, como sua oligarquia global e para derrotá-lo, se necessário, devem se unir até mesmo com seus piores inimigos (a nível local), se estão também orientados contra a oligarquia. Os que desafiam esse princípio agem nas mãos da oligarquia global, e podem ser culpados nisso com todos os motivos de acusação. Nessa esfera também não se pode confiar na mídia de massa global, desacreditando certas organizações políticas, nacionais, ideológicas ou religiosas, que se satisfazem com a oligarquia global: de certo toda informação sobre estes será cientificamente falsa, e acreditar nela deve ser considerado um erro, se não um crime. Os que são denegridos pela mídia global, são quase certamente os mais dignos grupos políticos, religiosos, ideológicos, e sociais que merecem o apoio da Aliança Global Revolucionária.

O mesmo deve ser aplicado a indivíduos separados, mantendo a posição de rejeitar a oligarquia global ou seus críticos. Estes já são membros da Aliança Global Revolucionária a seu próprio modo, seja percebendo isso ou não, declarando ou dissimulando, garantindo ou negando. Não é necessário requerer uma clara posição de tais pessoas: por motivos técnicos, em certas situações pode ser desvantajoso para eles (logo para todos nós). Sobre isso é necessário apenas avaliar o dano que eles podem causar na prática contra a oligarquia global e proceder a partir disto. Um programa categórico para que eles estão lutando é absolutamente irrelevante.

Isso deve ficar conosco, e deve ser completamente alheio É necessário avaliar essas pessoas por extensão e efetividade de sua resistência, sua subversividade, destruição para com o atual status quo. Se esse nível é bom, eles merecem um total e indubitável apoio. E novamente nesse caso deve ser um engano, até mesmo um crime aceitar informações detratoras, que são produzidas contra eles pela mídia oligarca globais e satélites nacionais. Se a oligarquia põe uma pessoa em particular na lista negra, a Aliança Global Revolucionária deve simplesmente apoiá-la. Na maioria das vezes tudo o que é alegado sobre essa pessoa pode ser uma mentira deliberada do começo ao fim. Mas isso não importa – se todas as insinuações globalistas eram verdade, não muda nada – vivemos sob uma lei marcial e o herói é aquele capaz de infligir maior dano ao inimigo, não alguém que seja exemplo moral ou tenha outras qualidades, crucial para a estima social humana em tempos de paz. Um revolucionário tem sua própria moral: é a eficácia e sucesso de sua luta contra o despotismo mundial.

3. Seja qual for os motivos que fazem certos poderes rejeitar o status quo e desafiar a oligarquia, a globalização, o liberalismo e os Estados Unidos, eles devem ser, em todo caso, trazidos à aliança. O resto será decidido após a vitória sobre o inimigo e o colapso da nova Babilônia. Esse é o princípio mais importante que deve ser tomado por base da Aliança Global Revolucionária. A oligarquia global baseia seu poder no fato de que projetos de forças revolucionárias alternativas diferem de uma zona para outra, de uma sociedade para outra, de uma confissão, ou mesmo dentro de linhas confessionais, para outra, de um partido para outro, e finalmente, de um atuante para outro. Essas contradições de objetivos afrouxam ao máximo a campanha dos oponentes do status quo, e assim, criam condições para exclusiva dominação da elite global. 
 
 É exatamente esse princípio a espinha dorsal estratégica de seu poder déspota e bem sucedido. Foi observado repetidamente que até mesmo fracas tentativas de unir diferentes partidos, movimentos, grupos étnicos, estados ou até indivíduos isolados em uma plataforma anti-globalista e anti-oligarca geral causa uma reação histérica por parte da oligarquia global e seus aliados, repressões sem motivo, medidas preventivas para erradicar e prevenir e até dividir os termos de tais tentativas. Se referindo a esse assunto de criação de uma Aliança Global Revolucionária, ignorando diferenças nos objetivos em base de um único inimigo comum – oligarquia global, os Estados Unidos, o capitalismo financeiro planetário ocidental, nós acertamos o ponto mais vulnerável do sistema vigente, abrimos seu código, minamos a base de sua estratégia imperial, consistindo no jogo de contradições internas das diferentes forças. A história do século XX mostra que qualquer associação baseada em propósitos comuns, mesmo os mais massivos (como era no caso do sistema mundial do comunismo e dos partidos comunistas que operam praticamente em todos os países do mundo) tem sua própria barreira restritiva e não pode ir além de um certo limite. E o colapso do socialismo mundial é relacionado com isto: tendo reunido todos possíveis ao redor de iniciativas anti-capitalistas com metas claramente categóricas, formações dogmáticas, tendo restringido outras interpretações, os comunistas esgotaram todos os recursos revolucionários do Marxismo, mas não angariaram uma massa crítica, necessária para uma verdadeira vitória sobre o capitalismo. 
 
Fora do movimento marxista ficaram estratos ardentemente conservadores, religiosos, movimentos nacionais, que eram igualmente intransigentes em relação ao capitalismo global, mas não compartilhavam especificamente da utopia comunista. Aproveitando esta divisão, o Ocidente foi capaz de derrotar o bloco soviético. Este destino deve ser levado em conta pelos revolucionários do século XXI seriamente. Se hoje continuamos insistindo num consentimento de uma unidade de intenção que propomos como uma alternativa a oligarquia católica (capitalista?) global e a dominação mundial dos Estados Unidos, estamos condenados ao fracasso inevitável e nós mesmos passamos às mãos do inimigo a arma da vitória sobre nos mesmos. 
 
4. A Aliança Global Revolucionária deve se nutrir do espírito da liberdade e independência em primeiro lugar, e somente depois deve procurar recursos materiais para operações particulares e projetos. Nunca começar a partir de uma questão ou recursos. Ela deve começar da vontade. Esse é o sentido de dignidade humana. Essa é a regra mais importante do desenvolvimento da Aliança Global Revolucionária. E no seu centro o espírito deve estar. Há situações em que não se pode lidar com circunstâncias externas, com as forças da natureza, com o poder do destino. Por vezes se confronta com obstáculos que são impossíveis de superar, que estão acima. Mas a essência do humano radica no fato, que mesmo reconhecendo a força bruta e a pressão das circunstâncias, pode moralmente admitir ou não admitir o que está acontecendo, de dizer tanto “sim” ou “não” às circunstâncias. E se este diz “não”, assim ele sentencia as circunstâncias por seu veredito decisivo, então preparando a linha para mais decisões (solução? Resolução?). Estando em desacordo com o mundo objetivo, o espírito humano em seu desacordo já o muda, e ainda que as consequencias de seu veredito não venham nesse caso, ele nunca estará morto. E exatamente esse espírito que move a história, a sociedade e a vida humana. 
 
 Qualquer bem material, qualquer potencialidade em desacordo com o espírito, a vontade e a aprovação moral será inútil e impotente. E conhecemos exemplos onde civilizaçoes inteiras negaram direitos às coisas materiais em serem considerados os verdadeiros valores, pelo contrário, colocaram os verdadeiros valores dentro do domínio espiritual – nos mundos da contemplação, divindade, fé, asceticismo. Inversamente, a presença da escolha moral é capaz de trazer uma completa falta de recursos e meios ao seu oposto, a construir um império sem fim começando com o mínimo de capital, cobrindo uma vasta área da existência material. O espírito humano pode fazer tudo. 
 
É por isso que a Aliança Global Revolucionária deve estar pronta a começar sua luta contra a oligarquia global desde qualquer ponto – de um indivíduo em separado, pequeno grupo de pessoas, até movimentos, partidos, e assim aos confins de comunidades religiosas, sociedades inteiras, nações e civilizações. Se pode entrar em uma batalha não tendo nada, com base de uma estimativa negativa da atual situação e descontentamento radical, insatisfação com o que ocorre. E pode depender da estrutura existente de qualquer escala. Recursos para implementação de atividades de revolução global, para uma guerra planetária total deve ser traçada de todo canto, não importando sobre sua fonte ou destino. Aqui cabem todos – grande e pequeno, armas tradicionais e novas tecnologias,infraestruturas de estados inteiros ou plataformas internacionais, criatividade de indivíduos isolados, heroicamente se aliando à luta contra a besta oligarca global. Apenas o espírito move a história humana. No espírito, em sua doença, em sua fraqueza, em seu declínio, em seu assombro devemos olhar para a raíz da atual patologia, e essa deve ser curada somente pelo espírito.

Parte 7. Imagens do Futuro: a Dialética das Múltiplas Normas

1. O futuro só será possível se conseguirmos destruir o mundo existente e fazer a norma uma realidade. Cada segmento da Frente Anti-americana, cada elemento da Aliança Global Revolucionária tem sua própria visão de futuro, sua própria norma. Deve-se supor que estas imagens e estas normas são diferentes, díspares, e até mesmo mutuamente exclusivas. Mas esta circunstância será importante apenas se essas normas e as imagens do futuro são realizadas como algo universal e obrigatório, algo que é exclusivo e exclui todos os outros imperativos comuns a toda a humanidade. Neste caso, a divisão no seio da Aliança Global revolucionária é, mais cedo ou mais tarde inevitável, e, portanto, sua atividade está fadada ao fracasso em algum momento. Os muçulmanos, ateus, cristãos, socialistas, anarquistas, libertários, conservadores, fundamentalistas, sectários, progressistas, ambientalistas, ou tradicionalistas dificilmente vai se darão bem uns com os outros, se eles tentam espalhar a sua visão do futuro para os seus vizinhos, e consequentemente, a toda a humanidade. E a oligarquia global irá tirar proveito imediato disso, martelando uma barreira entre os adversários, que irá dividir a sua solidariedade e vai matar ou estrangular cada um individualmente. 
 
Considerando a absoluta simplicidade e primitivismo de uma tal estratégia, tem invariavelmente e sistematicamente dado um resultado positivo para aqueles que têm usado nos últimos milênios. A Aliança Global Revolucionária não tem direito de sucumbir a tal reviravolta de eventos pré-programada e antecipada. A capacidade de extrair conhecimento da história e criar uma estratégia baseada no pensamento racional é um atributo essencial de uma pessoa inteligente. Assim, para que a guerra para tenha sucesso, a Aliança Global Revolucionária deve evitar essa armadilha iminente. Com imagens diversas e díspares do futuro, devemos aprender a imaginá-los em seu local, ao invés de um contexto universal. Islã para os muçulmanos, o cristianismo para os cristãos, socialismo para os socialistas, ecologia para os ambientalistas, o fundamentalismo para os fundamentalistas, a nação para os nacionalistas, anarquia para os anarquistas e assim por diante - que deve ser a maneira de conceber o futuro. Isto significa que tem de reconhecer a multiplicidade, a pluralidade de futuro, a sua variabilidade, bem como a coexistência de concepções diferentes do futuro em diferentes territórios contíguos ou não contíguos. 
 
A Aliança Global Revolucionária se opõe ao futuro único, comum a todos, mas representa um ramo de futuro, para a humanidade ser alimentada com uma variedade de tons e cores, formas e variações, horizontes e balizas áreas direcionadas à frente ou o retorno para as raízes. Mas, para alguns desses futuros alternativos se realizarem, a ajuda de outras forças - os que estão determinados a ver o futuro de uma forma diferente - é necessária. Esta é a principal descoberta da estratégia revolucionária do século XXI. Ninguém recebe o seu próprio futuro se rejeita a idéia de que os outros vão ter o seu próprio futuro, bem como, diferente da de qualquer outro, sua norma própria, e seu próprio horizonte. O futuro vai se tornar real e livre somente se todas as nações e culturas, todas as civilizações e os movimentos políticos, todos os estados e indivíduos separados conseguirem acabar com a hegemonia americana, a oligarquia global, e do sistema financeiro. E isso só pode ser feito combinando os esforços de todos aqueles que estão descontentes. Ninguém deve ser excluído da Aliança Global Revolucionária. Todos aqueles que se opõem ao status quo e que vêem a raiz de todo mal no liberalismo, do globalismo e americanismo devem ser tratados como participantes de potenciais da nossa frente comum. 
 
2. O futuro deve basear-se no princípio da solidariedade, em sociedades como unidades holísticas orgânicas. Cada cultura vai dar sua própria resposta a uma determinada forma espiritual e religiosa. Essa forma será diferente em cada caso. Mas elas terão algo em comum. Não há tais culturas, religiões e estados, que elevam a matéria, dinheiro, conforto físico, a eficácia mecânica e prazer vegetativo para o valor mais elevado. A matéria pode nunca recuperar a sua própria forma, porque é sem forma. Mas é precisamente este tipo de uma civilização totalmente materialista que está sendo construída em uma escala global pela ologarquia, explorando os estímulos mais vis e tangíveis, e os impulsos mais primitivos da humanidade. Nas profundezas mais obscuras da alma, estão as mais vergonhosas, semi-animais, semi-demoníacas energias adormecidas, tendendo à matéria, a fim de fundir-se com o ser orgânico, físico. 
 
Estas energias indolentes, resistentes ao fogo, à luz, à concentração e elevação, são a espinha dorsal mais explorada pelo sistema global, que ele cultiva, com o qual vagueia, e que ele celebra. Esse abismo da alma, ou a voz da fisicalidade, arrunia qualquer forma cultural, qualquer ideal, qualquer normativa, qualquer que seja. Isto significa que, ao longo da história vem a um ponto, o eterno retorno do ciclo de consumo começa, assim como a corrida para os prazeres materiais, o consumo de simulacros e de imagens irracionais. É desta forma que as sociedades perdem o seu futuro. 
 
Cada cultura se opõe a esses apetites mais básicos, as energias de entropia espiritual e decadência, mas o faz à sua maneira e marca as coordenadas para as suas próprias normas, suas idéias, e seu espírito. E apesar do fato de que os traços e configuração dessas formas e ideais são diferentes, todos eles têm uma coisa em comum – de fato, como é o caso quando nós estamos falando sobre a forma, em vez de substância, sobre uma idéia, ao invés de fisicalidade, sobre a norma e esforço, ao invés de dissipação, entretenimento e libertinagem. Portanto, a imagem do futuro é comum em toda a sua diversidade, e para alcançá-lo, todos os elementos da Aliança Global Revolucionária devem lutar contra a oligarquia global. Em todos os casos, é a forma, ao invés de deformidade, uma idéia, ao invés de matéria, algo que eleva o espírito humano, ao invés de afundar no abismo do vazio físico entrópico inercial. No coração de qualquer norma suporta o bem comum, verdade e beleza. Cada nação tem seus próprios ideais - geralmente bem diferentes. No entanto, eles compartilham a visão de que são estes que são os ideais, e não qualquer outra coisa. A oligarquia mundial destrói todos esses ideais, não deixa serem acolhidos. Ao fazê-lo, priva todas as sociedades do futuro. 
 
3. Esses ideais devem ser conquistados na guerra e fortificados no fogo da revolução. Isto não ocorrerá simplemente por si mesmo. Essa é a razão pela qual a revolução contra o mundo global americano não é apenas um detalhe ou um acidente, mas o trabalho da história, o movimento do qual é bloqueada por certas forças. Estas forças não se retirararão por si só, não vão se afastar, e não darão chance para as energias de existência. Estamos no fim da linha histórico e civilizacional. A estrutura desse fim de linha é tal que ambas dimensões objetivas e subjetivas pressupõem que o bloqueio é de forma deliberada e egoista mantido por um fenômeno histórico e, ao mesmo tempo, anti-histórico – a oligarquia global. A fim de abrir as portas para o futuro, é necessário explodir a barreira que fica em seu caminho. Sem guerra, sem vitória. Sem vitória, sem futuro vindouro. Ao contrário da natureza, onde o sol nasce todas as manhãs, por si só, o início da aurora da história humana depende diretamente da eficácia e do sucesso da luta contra as forças das trevas - a oligarquia mundial, os Estados Unidos e o capitalismo global. Só depois de arrancada a elite global existente, o curso da história pode se mover para a frente, de onde ele ficou preso hoje. O futuro só pode ser criado na guerra e nascido do fogo da Revolução Global. Guerra e Revolução são um despertar. O dia é o tempo dos despertos. Enquanto isso, a oligarquia mundial faz todo o possível para garantir que a humanidade continue adormecida, e visa garantir que nunca acorde. Para esta fim mesmo, um mundo artificial virtual está sendo criado, onde a noite dura para sempre, e o dia é representado em simulação electrônica refinada. Este mundo deveria ser explodido. 
 
4. O projeto do futuro deve ser contemplado e criado abertamente. Povos e das sociedades devem selecioná-lo, mas não recebê-lo como algo imposto. Assim, a Aliança Global Revolucionária deve agradar a todos e para todos, que deve divulgar tudo sobre suas metas e objetivos e os seus horizontes e seus planos. A Aliança Global Revolucionária não deve procurar impor ou conceder nada a ninguém. A Aliança Global Revolucionária não promete nada, não instiga, e não leva a um lugar que só é claro para a própria Aliança, mas que permanece um mistério para todos. Tais táticas não nos darão o resultado desejado. A Aliança Global Revolucionária insiste em um despertar universal, sobre a mobilização total, a perfuração e conscientização geral da catástrofe que se abriu e está ganhando força, e na construção de um novo mundo transparente - aberto a todas as pessoas – na sua fundação dramática. Devemos dizer a verdade às pessoas: o estado da humanidade é horrível, o auto-diagnóstico é altamente decepcionante. Sim, esta é uma doença, uma doença grave, profunda e implacável. Mas... curável. Ele é curável se for reconhecida como uma doença, considerada como tal, e se houver a vontade de mudar a situação e para encontrar o horizonte de recuperação. Para encontrar a saúde, é necesário se reestabelecer. Para recuperar, temos de perceber que estamos seriamente doentes. E o primeiro passo para a recuperação será identificar onde a doença nos leva, e quais são seus principais veículos. Os registros de casos estão localizados na cultura ocidental moderna e seu prelúdio histórico. 
 
 O portador da doença, parasitária sobre o seu desenvolvimento bem como as células tumorais em tecidos sadios, é oligarquia global, o mostro estatal Americano, a ideologia do liberalismo, viciosa em seus fundamentos, sua rede mundial de agentes de influência, servindo a interesses do império do mal em todas as sociedades, incluindo aqueles que foram capazes de manter pelo menos imunidade parcial a esses malignos vírus corrosivos. Os médicos sabem que sem a vontade do paciente, a recuperação não é possível, e nenhum truque ou método externo vai ajudar. Portanto, os principais aliados da Aliança Global Revolucionária são as próprias pessoas, sociedades, culturas, toda a humanidade, que são simplesmente obrigados a acordar e se livrar da escória sanguessuga oligarca liberal norte-americana. Redefinir e começar a viver uma vida plena - de acordo com a própria vontade e confiar em nossa própria mente. Só então a missão da Aliança Global Revolucionária será realizada, e não deixará de ser uma necessidade para ela. Em seu lugar virá o futuro, que a humanidade vai escolher para si, e que ele vai fazer livremente com suas próprias mãos. Se criará a si mesmo, só por si, e apenas por si só.

Nenhum comentário:

Postar um comentário