segunda-feira, 15 de agosto de 2011

O Vento Divino

Por: Aldo Onesti




"No último mergulho o mundo via,

Chegada a derradeira hora fatal,

Que vossa jovem vida se extinguia

Como puro quebrar de bom cristal.

Não homens mas já deuses vos tornáveis,

Ao vos negardes, na auto-imolação,

Sem já desejos que fossem mortais,

Toda esperança e toda salvação.

Com o cristal de súbito partido

De vossa juventude em flor ainda,

Cumpríreis no oceano o sonho tido:

A morte pela pátria era bem-vinda.

Inclinem-se o inimigo e a humana gente

Perante vós, heróis do Sol Nascente
"



Aldo Onesti é escritor, tradutor e poeta ítalo-brasileiro, ganhador de diversos prêmios, que vivenciou pessoalmente os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial. Este poema se encontra em lugar de destaque no "Chiran Peace Museum", dedicado à memória dos pilotos japoneses que deram sua vida em combate.

2 comentários:

  1. Sr. Aldo é uma pessoa muito inteligente e humilde. Vive sem os frutos dos seus méritos...sozinho...e ainda com todo seu acervo de trabalho muito bem feito, por sinal, em risco de perda por não ter morada fixa e viver de um salário medíocre a de "aposentadoria" que não o permite uma vida dígna.É lamentável que um ilustre poeta ítalo-brasileiro não tenha o ideal reconhecimento do seu trabalho e ainda viva marginalizado na sociedade. O que resta, é a simpatia e generosidade dos amigos que fez pela vida afora; com estes ele pode contar sempre que dá.

    ResponderExcluir
  2. Lamento informar da morte de nosso poeta.

    Deus o tenha.

    ResponderExcluir