sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Wotan e as Runas

por: Adolf Hitler



Prontamente, na noite de amargura,
vejo a azinheira de Wotan
envolta em um silencioso resplendor,
forjando uma aliança com os poderes misteriosos.
A lua, em seu encantamento mágico,
traça as Runas.
Tudo o que durante o dia esteve
cheio de impureza,
faz-se imperceptível ante
a fórmula mágica.
Deste modo, os falsos
são separados dos leais.
E eu me encontro
frente a um pavilhão de espadas.



Poema escrito por Adolf Hitler em uma trincheira durante a Primeira Guerra Mundial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.