quarta-feira, 29 de junho de 2011

Apoio à democracia cai em ex-repúblicas comunistas integrantes da União Europeia, mostra pesquisa

Fernanda Calgaro
Especial para o UOL Notícias
Em Londres
A recente crise econômica mundial fez uma grande parte dos moradores das ex-repúblicas da União Soviética e da Iugoslávia, desmembradas há cerca de 20 anos, ficar mais descrente em relação à economia de mercado e à democracia. Pesquisa realizada pelo Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento, a ser divulgada nesta quarta-feira (29) em Londres, aponta que, embora poucos queiram voltar ao passado –marcado por regimes autoritários e economias planificadas–, o apoio à democracia e à economia de mercado caiu, respectivamente, em 18 e 11 países, incluindo nove dos dez países dos antigos blocos que entraram na União Europeia. A exceção em ambos os casos foi a Bulgária.
No estudo, realizado em parceria com o Banco Mundial, foram ouvidas 39 mil pessoas de 34 países da Europa Central à Ásia Central, incluindo cinco da Europa Ocidental para efeito de comparação. O objetivo era traçar um panorama acerca do grau de satisfação das pessoas e sobre o que elas pensam do futuro. Os dados, coletados em 2010, fazem parte da segunda pesquisa sobre o tema. A primeira havia sido feita em 2006, quando a maioria das economias locais estava em alta, com média de crescimento na região de 7,3%.
A lista dos países em transição pesquisados é composta por: Croácia, República Tcheca, Estônia, Hungria, Letônia, Lituânia, Polônia, Eslováquia, Eslovênia, Albânia, Bósnia-Hezergóvina, Bulgária, Macedônia, Montenegro, Romênia, Sérvia, Armênia, Azerbaijão, Belarus, Geórgia, Moldávia, Ucrânia, Cazaquistão, Quirguistão, Mongólia, Tajiquistão, Uzbequistão, Rússia e Turquia. Os cinco países da Europa Ocidental incluídos na pesquisa atual são: França, Reino Unido, Itália, Alemanha e Suécia.
No geral, o apoio à democracia na região é de 45%, maior do que o suporte à economia de mercado, com 40%. O apoio menor é sentido na Sérvia, Letônia e Rússia, onde menos de 40% das pessoas dão preferência a regimes democráticos. No entanto, quase um quarto dos entrevistados sente que o tipo de modelo econômico pouco interfere no seu estilo de vida e mais de um quinto acha o mesmo em relação ao sistema político. Nos cinco países incluídos para comparação, os habitantes tendem a ser mais felizes e mais favoráveis à democracia e liberdades políticas.

Tolerância

Os entrevistados também responderam a perguntas sobre tolerância religiosa e étnica. De maneira geral, as pessoas não se importam com diferenças religiosas. No entanto, em seis países esse índice passa de 20% e chega a 30% na Moldávia.
No tocante à raça, 30% da população da Armênia, Moldávia e Turquia não gostaria de ter pessoas de outras raças como seus vizinhos. A aversão a imigrantes também é alta na Turquia, com mais de 30% que se disseram contrários, seguidos de perto pela Mongólia e a Rússia.

Economia

Em mais da metade dos países pesquisados, a maioria disse ter sido bastante afetada pela crise –o mesmo foi sentido em um único país ocidental usado para comparação, a Itália. Nos países de transição, 70% dos lares atingidos tiveram de cortar custos com alimentos de primeira necessidade. Apesar das privações econômicas, o nível de satisfação com a vida acabou ficando em 43%, pouco abaixo dos 44% registrados em 2006. O otimismo acerca do futuro caiu de 55% para 49% dos países, mas continua alto.

Corrupção

A pesquisa também avaliou o que as pessoas pensam em relação à corrupção, incluindo o pagamento de subornos, e apontou que a percepção geral é que tenha aumentado. Os servidores vistos como mais corruptos são os policiais de trânsito, seguidos de funcionários do sistema de saúde.
O Azerbaijão é o país onde o percentual é mais alto: 65% dos entrevistados indicaram que o pagamento não-oficial ou a entrega de presentes são frequentes ou quase sempre necessários quando se lida com autoridades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário