quinta-feira, 21 de abril de 2011

Cada época tem os heróis que merece...

"Como é possível definir como homem de acção quem, no seu trabalho de gestor, faz cento e vinte telefonemas por dia para vencer a concorrência? É um homem de acção aquele que é louvado porque aumenta os ganhos da própria empresa, viajando para os países subdesenvolvidos e aproveitando-se dos seus habitantes? Na nossa época são geralmente estes vulgares dejectos sociais a serem julgados homens de acção. Atolados nesta sujidade estamos obrigados a assistir à decadência e à morte do modelo de Herói, que exala já um fétido odor."
 
Yukio Mishima
in "Introduzione alla Filosofia dell'Azione"

Nenhum comentário:

Postar um comentário