quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Arthur E. LeBouthillier - Introdução ao Nacionalismo

por Arthur E. LeBouthillier

Nós ouvimos muito sobre nacionalismo nos noticiários e mesmo de muitos no movimento branco. Usualmente, o nacionalismo é insultado como uma coisa ruim que leva à desintegração e violência em massa. Para a mídia, é uma força ameaçadora da estabilidade que causa a queda de governos. Para alguns membros no movimento branco, é a força que faz com que irmãos brancos lutem entre si. Porém, um melhor entendimento do nacionalismo é necessário para apreciar seu verdadeiro papel na política mundial e como ele se relaciona com nosso próprio movimento.

Há muitos mitos sobre o que é nacionalismo. Para muitos, nacionalismo se evidencia apenas como guerra entre grupos étnicos ou como a força que desestabiliza países multi-étnicos. Porém, essa visão perde um fato muito mais importante sobre nacionalismo: que é algo que afeta as ações diárias das pessoas em muitos modos positivos ao mesmo tempo nunca lhes levando a praticar atos de violência. Outro mito sobre nacionalismo é de que é algo fundamentalmente diferente de racismo. Em verdade, a base do nacionalismo pode ser um ou mais entre diversas influências como religião, raça, língua ou outros fatores.

Nacionalismo

Nacionalismo é um fenômeno complexo que não é sempre imediatamente fácil de compreender. É um ponto de vista ideológico completo que afeta todos os aspectos de sua vida política, cultural, econômica e social. Como Anthony D. Smith define em Nacionalismo no Século XX, é o “...movimento ideológico para a conquista e manutenção da autonomia, coesão e individualidade para um grupo social, concebido por alguns de seus membros como sendo uma nação atual ou potencial.” 

Em acordo com essa definição, pode ser visto que virtualmente qualquer atividade tomada em favor da nação (um grupo social) pode ser considerado um “ato nacionalista.” Tais coisas como escrever poesia para difundir os ideais da nação, aprender as danças históricas da nação, falar na língua histórica do povo, ou se envolver em política em nome dos interesses da nação são todos eles, “atos nacionalistas.” Em casos extremos, nacionalismo de fato se evidencia como guerra étnica quando dois ou mais grupos étnicos competem as custas dos interesses uns dos outros. Segundo John Breully em Nacionalismo e o Estado:

“Um argumento nacionalista é uma doutrina política construída sobre três asserções básicas:

Há uma nação com um caráter explícito e peculiar.

Os interesses e valores dessa nação tem prioridade sobre todos os outros interesses e valores.
A nação deve ser tão independente quanto possível. Isso usualmente requer pelo menos a conquista de soberania política.” (Breully, 1982. p3)

Segundo as definições acima, pode-se ver que nosso movimento para garantir a sobrevivência da raça branca é um movimento nacionalista. Isso é ainda mais radicalmente evidente quando se considera o próprio slogan da Aryan Nation: “Sua raça é sua nação.” Esse slogan é uma asserção óbvia ligando argumentos e ideais raciais e nacionalistas.

O Estado

Nacionalistas fazem distinções explícitas entre a nação, que é um grupo social, e o Estado, que é o governo que governa sobre uma ou mais nações. Portanto, nacionalistas geralmente afirmam que nacionalismo é amor pelo próprio povo, enquanto patriotismo é amor pelo Estado. É importante compreender essa diferença entre nacionalismo e patriotismo já que a maioria dos argumentos contra o nacionalismo são tentativas patrióticas de garantir a sobrevivência de um Estado particular. 

Como uma instituição política, o Estado é uma entidade com seus próprios interesses. Estados derivam seu poder do número de pessoas das quais eles pagam impostos e que controlam através de leis e pela força. Por causa disso, há um conflito de interesses entre o Estado e a nação. Geralmente, Estados consideram necessário suprimir sentimentos nacionalistas e perseguir grupos nacionais de modo a garantir sua dominação. Onde vários grupos étnicos existem no mesmo Estado, o Estado deve comprometer os interesses nacionais de um grupo de modo a satisfazer os desejos de grupos minoritários ou para garantir sua posição aos olhos de outras nações ou Estados do mundo. Geralmente, grupos minoritários são capazes de assumir o controle do aparato estatal e assim torna-lo um instrumento de seus próprios fins. Para o nacionalismo, muitas vezes o único Estado viável é um que expressamente se estrutura para proteger e promover sua própria nação acima de todas as outras; portanto, Estados multi-étnicos são vistos como ilegítimos.

A Nação

O conceito chave para compreender nacionalismo é conhecer o significado da palavra nação. Contrariamente ao usa diário da palavra nação, que geralmente inclui os muitos grupos étnicos diferentes existentes em um certo Estado, a definição nacionalista de nação é aquelas pessoas que crêem se pertencerem juntas porque são um grupo social ligado por sangue, língua, cultura, religião ou outros fatores. Como Walker Conner diz, “A essência da nação é um elo psicológico que unifica um povo e o diferencia, nas convicções subconscientes de seus membros, de todos os não-membros de um modo muito vital” (Conner, 1994.p197). Há muitos desses laços, mas talvez a identidade nacional mais forte é aquela fundada na raça (linhagem ou sangue). “Em contraste radical com a maioria dos analistas acadêmicos do nacionalismo, aqueles que mobilizaram nações com sucesso compreenderam que no núcleo da etnopsicologia está o senso de sangue compartilhado, e eles não hesitaram em apelar a ele.” (Conner, p197). 

Outras bases da identidade étnica incluem muitas outras características como língua, costumes, pontos de vista históricos e outras características.

A Perspectiva Nacionalista Branca

Com a compreensão acima de nações e Estados, nós brancos podemos examinar nossa própria situação melhor. Enunciando nossa posição nos termos dos argumentos nacionalistas básicos, pode-se dizer que nós brancos somos uma nação, que os interesses e valores dessa nação tem prioridade sobre todos os outros e que nós devemos ser tão independentes quanto possível. Portanto, nós devemos embarcar em um programa levando a cada vez maior soberania e segurança para nossa nação. Não devemos deixar QUALQUER governo impor políticas e programas que sejam danosos aos interesses de nossa nação.

Devemos reconhecer que o governo dos EUA, como um Estado, subverteu os interesses de nossa nação e que a não ser que medidas sejam tomadas para engrandecer nossa nação, tudo que nós é caro será destruído.

Conclusão

Nacionalismo é um movimento social de um povo buscando a manutenção de seu grupo. O elemento chave no nacionalismo é a nação, um grupo social daquelas pessoas que acreditam pertencer juntas por causa de interesses e características comuns. Ao colocar os interesses de seu grupo social acima de todos os outros interesses, eles são capazes de garantir sua sobrevivência. Porque eles colocam os interesses de seu povo primeiro, nações estão muitas vezes com conflito com os Estados nos quais residem. Isso muitas vezes resulta em um desejo por soberania política pelas nações. O modelo nacionalista se aplica ao movimento branco na América do Norte. Com um entendimento melhor do nacionalismo, pode-se aprender a utilizar as táticas de outros movimentos nacionalistas ao redor do mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.