quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Juan Pablo Vitali - Ser Dissidente

por Juan Pablo Vitali



Ser dissidente é levar uma espada de luz pelos labirintos da Idade das Trevas.

Ser dissidente é sentir a cada passo a solidão da estirpe, apertando nossos corações.

Ser dissidente é optar pelas alturas, e também pelos abismos.

Ser dissidente é talhar escrituras sagradas sobre nossa pele.

Ser dissidente é lançar-se sobre o aço nu da espada.

Ser dissidente é voltar sempre às cidades perdidas.

Ser dissidente é ter perdido o Sol da Atlântida e recuperá-lo nos gelos distantes do Sul.

Ser dissidente é ver o rosto de osso de nossos mortos como um espelho branco nas trevas quotidianas.

Ser dissidente é dissentir dos Deuses se estes nos forem adversos.

Ser dissidente é ocupar as ruas, até dominá-las.

Ser dissidente é o mármore, o músculo, a pedra, o fogo, a montanha e os caminhos.

Ser dissidente é o último lobo da Europa nas cavernas, a águia adormecida nas alturas, o cervo bramando na profundidade dos bosques.

Ser dissidente é dormir sobre punhais e despertar iluminado pelos olhos das crianças de Dresden, de Berlim e de Hiroshima.

Ser dissidente é assediar o tempo do silêncio, com bandeiras que desfraldam aproximando-se no vento.

Ser dissidente é ser sempre o último a recuar, e o primeiro a avançar.

Ser dissidente é ser o último homem em pé, se necessário, com o Sol como testemunha e a chama eterna dos nossos por bandeira.

Tradução por Raphael Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.